27 fevereiro 2009

Plágio in the mix?

FIK x some portuguese dance club: i guess, no matter its a mini nor a major rip, a rip is still a rip,.. i just dont really understand whats on the ripper little mind while doin this.

tried to send an email bout this to them, but still no answer, i lost hope when it comes to this kind of thing.

Submitted: September 24, 2008 This work is licensed under a Creative Commons Attribution-Noncommercial-No Derivative Works 3.0 License.


David, Mário Viktor, Sengal in the mix

Milhões de primatas


Primates on Facebook: Several years ago, therefore, Robin Dunbar, an anthropologist who now works at Oxford University, concluded that the cognitive power of the brain limits the size of the social network that an individual of any given species can develop. Extrapolating from the brain sizes and social networks of apes, Dr Dunbar suggested that the size of the human brain allows stable networks of about 148. Rounded to 150, this has become famous as “the Dunbar number”. [...]

So The Economist asked Cameron Marlow, the “in-house sociologist” at Facebook, to crunch some numbers. Dr Marlow found that the average number of “friends” in a Facebook network is 120, consistent with Dr Dunbar’s hypothesis, and that women tend to have somewhat more than men. But the range is large, and some people have networks numbering more than 500, so the hypothesis cannot yet be regarded as proven.

What also struck Dr Marlow, however, was that the number of people on an individual’s friend list with whom he (or she) frequently interacts is remarkably small and stable. The more “active” or intimate the interaction, the smaller and more stable the group. [...]

Put differently, people who are members of online social networks are not so much “networking” as they are “broadcasting their lives to an outer tier of acquaintances who aren’t necessarily inside the Dunbar circle,” says Lee Rainie, the director of the Pew Internet & American Life Project, a polling organisation. Humans may be advertising themselves more efficiently. But they still have the same small circles of intimacy as ever.

Sweet to tweet: Beyond the social or business connections it lubricates, Twitter’s blizzard of short messages has created a new way to catch the mood of the virtual world – and one that works in real time. That, says [Peter Norvig, director of research at Google], may be its most intriguing addition to today’s internet: “The expectation when you come to Google is that you search for things that happened before, not what’s happening now.”

On Twitter, the aggregated voices of millions can be heard in unison. “It’s like saying, ‘Hey, we’re experiencing this together’,” says Mr Norvig. “That fact that I said I was at [President Obama’s] inauguration nobody cares [about] – but if 1m people say they are there, it be­comes interesting.”

SIX SECRETS OF AN ONLINE SUCCESS:
Immediacy: Real-time flow of comments and adaptability to mobile handsets makes it more immediate than blogging.

Brevity: Limiting messages to 140 characters makes them easier to produce and easier to digest.

‘Pull’, not ‘push’: The ability of users to choose whose tweets they follow makes it less random than e-mail.

Searchability: Messages can be searched, making the content more accessible than the comments on a social network.

Mixing public and personal: A user’s personal contacts are on an equal footing with public figures.

‘Retweeting’: By copying and retransmitting messages, users can turn the network into a giant echo chamber.

Já começou

Newsday To Charge For Website, Online Cable Service: Cablevision Systems plans to charge online readers of its Newsday newspaper, a move that would make it one of the first large U.S. papers to reverse a trend toward free Web readership.

Newsday to begin charging for online news: "Our goal was, and is, to use our electronic network assets and subscriber relationships to transform the way news is distributed," said Tom Rutledge, Cablevision's chief operating officer, according to a Reuters report on the call. "We plan to end distribution of free Web content and to make our news gathering capabilities service our customers."

Estados Unidos em guerra

Instances of Use of United States Armed Forces Abroad, 1798-2008: Eleven times in its history the U.S. has formally declared war against foreign nations. These eleven U.S. war declarations encompassed five separate wars: the war with Great Britain declared in 1812, the war with Mexico declared in 1846, the War with Spain declared in 1898, the First World War, during which the U.S. declared war with Germany and with Austria-Hungary during 1917, World War II, during which the U.S. declared war against Japan, Germany, and Italy in 1941, and against Bulgaria, Hungary, and Rumania in 1942. Some of the instances were extended military engagements that might be considered undeclared wars. These include the Undeclared Naval War with France from 1798 to 1800; the First Barbary War from 1801 to 1805; the Second Barbary War of 1815; the Korean War of 1950-53; the Vietnam War from 1964 to 1973; the Persian Gulf War of 1991, global actions against foreign terrorists after the September 11, 2001 attacks on the United States, and the War with Iraq in 2003.

26 fevereiro 2009

A ler

A televisão que queriam trazer até si... A revista "Telecabo" do mês de Março revela alguns documentos ditos "secretos" do projecto que a ZON tinha para o 5º Canal Público...

Ou é apagão ou é simulcast... [ou é um enorme erro de percepção - actualização]

Algumas notícias:
Televisão analógica será “apagada” em Abril de 2012 para dar lugar à digital: Ainda assim, durante pelo menos um ano, a televisão normal continuará a ser emitida para minimizar problemas e atrasos.

TV: Emissões analógicas terminam a 26 de Abril de 2012: «O fecho do sinal analógico terá lugar em Abril de 2012, ou seja, alguns meses antes do limite que o Governo tinha e que era o do final desse ano. Está agora definido todo o quadro regulamentar para que Portugal possa avançar para a emissão da TV digital terrestre», declarou o secretário de Estado das Obras Públicas.

Televisão analógica desliga-se em Abril de 2012: Este será o limite para as emissões analógicas, embora o regulamento também defina um período mínimo de 12 meses de simulcast. Ou seja, emissões simultâneas de TV analógica e digital para minimizar o impacto da transição junto do consumidor.

O que diz o comunicado do Conselho de Ministros: Estabelece-se que o fecho das emissões analógicas terrestres em todo o território nacional ocorrerá até 26 de Abril de 2012, assegurando-se um período de difusão simultânea analógica e digital terrestre, vulgarmente designada por simulcast, não inferior a 12 meses, por forma a ser minimizado o impacto junto dos consumidores.

[actualizado]
Ou seja, as emissões analógicas "acabam" a 26 de Abril de 2012 mas haverá simulcast desde, pelo menos, Abril de 2011.

Ou seja, a televisão analógica termina realmente a 2012 em Portugal, o que coloca o país na Europa a 26 (a Roménia ainda não divulgou a data para o "apagão"), segundo um balanço deste mês da Comissão Europeia:
Group A (switch off completed): BE (Flanders), DE, FI, LU, NL, SE
Group B (switch-off date end 2010 or earlier): AT, DK, EE, ES, MT, SI
Group C (switch-off date: end 2012 or earlier): BE (Brussels capital area), BG, CY, CZ, EL, FR, HU, IT, LT, LV, PT, RO, SK, UK

A Portugal Telecom garante o "switch off" até 2011 - num evento em que Mário Lino, ministro das Obras Públicas, Transportes e Comunicações referiu "que “algures em 2011” será marcada a data para o “switch off” do analógico para o digital"... -, a Anacom perspectiva a "migração analógico-digital da plataforma terrestre até 2012, conforme preconizado ao nível comunitário", conseguindo-se assim "uma mais eficiente utilização do espectro radioeléctrico, com a consequente libertação das frequências usadas pelo actual sistema analógico", e o Governo aponta 2012 como data para o "apagão", depois de ser "o mais atrasado".

Mas o que é a qualidade do jornalismo?

A Vote of No-Confidence for 'Old News Media': In polling [1,979 adults nationwide conducted Feb. 20-21, 2008], 67 percent of respondents said they feel "traditional journalism is out of touch with what Americans want from their news." Nearly as many (64 percent) said they're dissatisfied with the quality of journalism. [...]

Among 18-29-year-olds, 55 percent said the Internet is their chief news/information source. [...]

Thirty-two percent said Web sites are their "most trusted" sources of news and information, exceeding the numbers who said the same about newspapers (22 percent), TV (21 percent) and radio (15 percent).

Tendências


h+ covers technological, scientific, and cultural trends that are changing — and will change — human beings in fundamental ways.

Interfaces de media

Three Ways the Media is Innovating with New Interfaces:
Throwback Interfaces
Hyper-Vertical Navigation
Mobile Apps

Calendário

humano

Uma nova forma de ver um eclipse solar

Otherworldly Solar Eclipse: For the first time, a spacecraft from Earth has captured hi-resolution images of a solar eclipse while orbiting another world.
Japan's Kaguya lunar orbiter accomplished the feat on Feb. 9, 2009, when the Sun, Earth and Moon lined up in a nearly perfect row.

13 anos

Jurassic Web: The Internet of 1996 is almost unrecognizable compared with what we have today.

If the Web was so completely different just a decade ago, what will become of it in the next decade? When we look back, will we laugh at how taken we were with YouTube—ooh, you can watch everyone's home movies!—and puzzle over how Google missed the rise of the Web-searching technology that suddenly sprang up to vanquish it? Maybe. On the other hand, some parts of the Web have become so deeply ingrained in the culture that it's hard to imagine any force killing them outright.

25 fevereiro 2009

Sites Web em baixo?

Have you ever come across a web site that you could not access and wondered,"Am I the only one?" Herdict Web aggregates reports of inaccessible sites, allowing users to compare data to see if inaccessibility is a shared problem. By crowdsourcing data from around the world, we can document accessibility for any web site, anywhere.

Café, jornais e sumo de laranja (e massa)

Thirsty work: The water needed to produce everyday goods and beverages [via, com "The environmental pros and cons of reading online"]

How Green Is My Orange? How much does your morning glass of orange juice contribute to global warming? [...]
PepsiCo finally came up with a number: the equivalent of 3.75 pounds of carbon dioxide are emitted to the atmosphere for each half-gallon carton of orange juice. But the company is still debating how to use that information. Should it cite the number in its marketing, and would consumers have a clue what to make of it?


[act.: How Much Water Does Pasta Really Need?]

PMEs, ciência e tecnologia, sim; media, governos e grandes empresas, não

The New Now and The End of Apathy: Most Americans believe small business, science and tech leaders will lead the U.S. to a better future - not the news media, government or large corporations. That’s the key finding from a new We Media/Zogby survey released today in conjunction with the 2009 We Media Miami conference.

Twitter nas buscas e no tribunal

How Twitter could be a threat to Google: Very quietly, one of Twitter's most powerful applications has become its ability to allow people to conduct real-time searches.

Federal judge says ‘Twitter is on’: Live coverage of courts in Wichita expanded today, when a federal judge said he will allow me to use Twitter during the trial of six accused gang members.

A 4 de Março (sem portugueses?!?)

European eParticipation Day will provide the opportunity for a high level debate on current state of play and future directions. It will address the political challenges and the solutions that ICT can provide. The US election campaigns and the forthcoming European elections will be among the discussion points. The use of ICT to help legislators and decision-makers in their work and in particular to better communicate with their constituency and understand their views will be discussed. The event will also look at the benefits of ICT for citizens by giving them more of a say in decision-making as well as how ICT is helping to reconnect Europeans, in particular young Europeans, with politics.

Factos da vida

10 thoughts to ponder in 2009
Number 10: Life is sexually transmitted.

Number 9: Good health is merely the slowest possible rate at which one can die.

Number 8: Men have two emotions: Hungry and Horny. If you see him without an erection, make him a sandwich.

Number 7: Give a person a fish and you feed them for a day, teach a person to use the internet and they won’t bother you for weeks.

Number 6: Some people are like a Slinky … Not really good for anything, but you still can’t help but smile when you shove them down the stairs.

Number 5: Health nuts are going to feel stupid someday, lying in hospitals dying of nothing.

Number 4: All of us could take a lesson from the weather. It pays no attention to Criticism.

Number 3: Why does a slight tax increase cost you $200.00 and a substantial tax cut saves you $30.00?

Number 2: In the 60s, people took acid to make the world weird. Now the world is Weird and people take Prozac to make it normal.

And The Number 1 Thought For 2009: We know exactly where one cow with Mad-cow disease is located among millions and millions of cows in America, but we haven’t got a clue as to where millions of illegal immigrants and terrorists are located. Maybe we should put the Department of Agriculture in charge of Immigration.

24 fevereiro 2009

O Google e os cágados


As empresas de media são geridas por empresários que não conhecem ou sequer gostam dos media. Foram um meio de promoção social ou puro negócio. A ideia de serviço público morreu nos anos 70 e não ressuscitou com a tendência da responsabilidade social.

Os empresários estão entre dois mundos, o da banca e outros financiadores a quem têm de devolver o retorno anual dos seus investimentos, e o público.

O primeiro é claro e linear: investe-se para ter lucro, material ou não - como ocorre nos meios como a RTP. Como se conhecem os investidores (Governo), não há conflito de interesses, apesar do financiamento para serviço público.

Os jornalistas eram o público mas são (eram) uns chatos, com os seus códigos e presunções e investigações que podem colocar em perigo até negócios das entidades investidoras na sua empresa.

Ninguém gosta de pagar a um empregado para ele lhe dar tiros no pé. E o que o público não descortina, não precisa de saber.

Genericamente, o modelo do jornalismo era simples: as empresas pagavam (a jornalistas, comerciais, administrativos, a impressão, o papel, a distribuição, por brindes) e recebiam (da venda de exemplares, da publicidade e de produtos associados).

O online veio baralhar as coisas. Na década de 90, para engordarem e irem para a Bolsa para valorizarem os seus "assets", as consultoras insistiram que as empresas de media tinham de apostar no online.

Poucos contrariados, outros por moda e alguns para complementar a sua cadeia de valor (quem detinha meios físicos de distribuição da Internet precisava de conteúdos), atiraram-se para o online.

Sem perceberem o meio, a aposta foi clara: os jornalistas seriam os mesmos para papel e online (ou mesmo rádio e televisão - afinal, era o jornalismo multimédia, com tempo e ordenado pago pela mesma empresa) porque os investimentos necessários em tecnologia já eram exagerados para os accionistas.

Como as universidades continuavam a despejar anualmente centenas de estagiários, foi fácil ocupar lugares no jornalismo online. O mito da redacção única (papel e multimédia) serviu para dar escassos exemplos mas sem triunfar na realidade.

Os críticos do modelo "fui contratado para o papel, não para a Internet" e alguns competentes foram chutados para cima (elevados ao seu nível de (in)competência?) e amaciados, despedidos ou abandonaram o jornalismo.

Quem se safou? Como na guerra, quem vendeu o armamento. Empresas de tecnologia, de telecomunicações, de consultoria, todas tiveram anos excelentes.

E o negócio do jornalismo online? Servia para apontar o futuro mas nunca agir no presente. Era novo, não se podia reclamar que desse retorno, diziam alguns.

Como se o jornalismo não fosse um negócio que tem de ser lucrativo para pagar a accionistas e trabalhadores...

Entretanto, a bolha dot-com estourou. Os primeiros sinais surgiram quando a Yahoo não cumpriu os objectivos prometidos, em 2000, desabando o edifício das promessas por concretizar.

No ano seguinte, surgiu a crise. A banca abrandou o financiamento das tecnológicas com modelos de negócio especulativos.

Nos media, feitos os investimentos tecnológicos, as redacções estavam estabilizadas, era aguentar, sem grandes reforços de pessoal ou dinheiro.

Agarrados ao papel, os empresários olharam com repugnância para o potencial do online que lhes havia feito perder dinheiro.

O antigo modelo estava perturbado pelo online - com a concorrência directa de jornais exclusivamente na Web - mas a publicidade e os leitores ainda sustentavam o papel.

Uns porque não conheciam o meio online, porque não antecipavam a sua evolução e nele não levavam a investir os anunciantes, e os outros porque não tinham acesso à Internet.

Os jornalistas de tecnologia - que, infelizmente, têm alguma sensibilidade para estas coisas - eram vistos como visionários. Alguns demonstraram mesmo projectos online mas, como a publicidade estava focada no papel, não tiveram muita sorte.

Entretanto, para comer do bolo publicitário, surgem os jornais gratuitos. Vistos inicialmente com desdém - afinal, quem iria comer bitoque oferecido quando havia bife do lombo pago? - demonstraram o que muitos sabiam ao fazer comparação de jornais: a maior parte das notícias provinha de agências e eram iguais em qualquer meio, pago ou não.

Depois, para comer do bolo da influência mediática, chegaram os blogues. Este facto não é inócuo.

Na história da Web em Portugal, houve sempre ligações fortes entre meios técnicos, media e personalidades.

Nas BBS, informáticos e jornalistas adoptaram o meio e estimularam-no em jornais como o Blitz ou no início do Público.

Jornalistas e um político como José "ciberdeputado" Magalhães divulgaram a Web.

Depois de adoptados por técnicos e jornalistas, Pacheco "Abrupto" Pereira generalizou os blogues e acelerou o número de bloggers, ou seja, de interessados na Web e, "obrigados" a debater a actualidade, nos meios de comunicação social.

O que sucedeu depois foi esclarecedor.

Os jornalistas e os investigadores de media discutiam em público problemas clássicos do jornalismo, até aí resguardados.

Sem pretensões por cumprirem códigos deontológicos ou de sigilo, os bloggers não jornalistas acusavam à vista desarmada qualquer ideia de erro de jornalistas ou de comentadores.

Os ataques eram feitos, obviamente, aos meios impressos de referência. O online e a rádio estavam mais protegidos, enquanto a televisão - cuja audiência mínima num Telejornal somava a totalidade de leitores de jornais - continuava imperturbável.

Esta fragilização do jornalismo impresso é acompanhada pela emergência dos provedores, externos alguns mas sempre internos ao meio, com a discussão pública das falhas dos jornalistas.

O fenómeno não era realmente novo nem criticável: desde o aparecimento das televisões privadas, os sectores da justiça ou da saúde foram criticados pelos media, expondo as suas falhas, com contribuições dos utentes.

Mas tanto num como noutro caso, tinham instituições como a Ordem dos Advogados ou dos Médicos que podiam defender certas práticas, em abstracto.

No jornalismo, sem Ordem, o Sindicato não estava mandatado para tal. Rapidamente, pelos erros de alguns, os jornalistas foram todos vistos como malandros.

Esta tendência facilitou a emergência do chamado jornalismo-cidadão, o entendimento de que todos podiam, afinal, ser jornalistas - esquecendo que alguém tem de pagar pelo trabalho. E, recorde-se, a publicidade online continuava a não dar sinais de pagar o que quer que fosse, nos media ou em blogues, enquanto decrescia a do papel.

Ora, de ilusão em ilusão, a tendência foi tão forte que até os medias a adoptaram, por interesse óbvio, quando surgiram alguns bons blogues, especializados e normalmente pagos por ordenados de outrém que não os media.

Enquanto os tais "cidadãos" forneciam conteúdos gratuitos, os meios ocupavam espaço sem grandes custos. Era o modelo televisivo gratuito das entrevistas ou até dos "reality shows" adaptado ao papel. Em paralelo, também os comentadores aumentavam de forma exponencial - comentadores que "comentavam" sobre o que os jornalistas escreviam. Confusos? Era (é) um modelo de negócio interessante.

Chegados a 2008 e à nova crise económica, os avisos sobre o descalabro dos media já era ensurdecedor sem que as administrações ou os departamentos comerciais tivessem descoberto - a sério - o online e as suas potencialidades.

Isto quando o valor perdido estava à vista, num segmento tão precioso como os classificados. Discretamente, apesar do sucesso externo de sites como o Craiglist, vários sites temáticos (do emprego aos automóveis, da tecnologia às viagens) tinham-se instalado, captando anúncios e alguma publicidade.

E o que preocupava então os patrões da imprensa? O Google News. O "motor de busca" não só soube agregar conteúdos em todo o mundo como desenvolveu um modelo sustentado de negócio de publicidade online paga!

A decisão judicial belga contra o Google News aumentou os egos, enquanto alguns jornalistas continuavam a chamar a atenção para o potencial do mesmo (e também do seu serviço de publicidade). Um modelo que o Sapo já tinha há anos e quando alguns jornais já exploravam os anúncios do próprio Google nos seus sites!!

O que os patrões fizeram então foi genial: para contornar que os jornalistas contratados para o papel quisessem ser pagos pela reprodução dos seus textos no online, apoiaram um decreto-lei que permite o uso dos textos em quaisquer meios durante um determinado período de tempo.

Esta lei retira aos jornalistas o direito de autor sobre as notícias do dia. Em resumo, qualquer notícia pode ser reproduzida sem qualquer pagamento.

A lei é óptima para os jornais reproduzirem as notícias do papel no online, é fantástica para as empresas de "clipping" viverem à custa das empresas jornalísticas e serem pagas por entidades como a Assembleia da República e ministérios para distribuírem fotocópias dos artigos que lhes interessam. Mas é inadmíssivel que o Google News faça o mesmo porquê?

Alegadamente, a discussão europeia baseia-se nesta constatação: as empresas jornalísticas ou de "clipping" têm pelo menos um jornalista no quadro, coisa que o Google não faz nem aparenta querer fazer. E com um jornalista no quadro, qualquer empresa, site ou blogue pode reproduzir ou agregar os textos da imprensa que bem entender.

E quando deixará de o fazer? Quando o modelo económico deixar de ser viável.

Algumas empresas vivem do clipping, outras querem apenas demonstrar uma plataforma tecnológica para venda a terceiros, nomeadamente media. Como o negócio é a tecnologia e os conteúdos são gratuitos, não precisam de se preocupar com o desenvolvimento de modelos de acesso pago ou procura de publicidade para o papel e online.

É nestas confusas áreas que se movem os jornais, que também parecem apáticos no desenvolvimento de novos modelos de negócio, depois da boa colheita na venda dos produtos associados.

Durante anos, fomentaram o acesso online gratuito para conseguirem visualizações e correspondente publicidade que pouco dinamizaram.

Depois fecharam o acesso aos conteúdos do papel, tornando-os pagos, para regredirem e abrirem tudo excepto os textos dos comentadores, dando a ideia de que vale a pena comprar o jornal não pelas notícias mas pelos comentários.

Outros, semanários, dão acesso alguns dias depois da edição. Alguns diários desvendam os textos mas bloqueiam o acesso à sua totalidade. Quem quer, compra a edição em papel. Facilmente, estes podem evoluir para a aquisição online.

Este é o modelo que mais facilmente defendo, a par com modelos híbridos que não vou abordar aqui.

Os micropagamentos não são "amigáveis", um jornal como fundação pode existir mas dificilmente em Portugal, e a desculpa de que os leitores se habituaram ao gratuito não pega, como referi no caso da música no iTunes.

A diferenciação de conteúdos pela qualidade, exclusivos no papel ou no online pago, demonstram que um título investe nessa qualidade e acredita nisso, numa relevância e dianteira que os outros não conseguem acompanhar e só reproduzir. Se o que obtenho é igual num qualquer meio, e depois reproduzido na rádio ou na televisão - por vezes sem sequer a citação da fonte, porque não é preciso -, porque raio hei-de pagar por papel para o lixo ou por bits que tenho num ecrã ao lado?

O que nos leva de novo às empresas e à publicidade.

No primeiro caso, a crise económica está a "apertar" as empresas, pelo que as soluções têm de ser cautelosas e inteligentes: "The problem for newspapers is that their difficulties are more secular than cyclical, so that even if the economy gets better, a lot of the increased advertising that results won't be going to newspapers," [analyst Dave Novosel at Gimme Credit] said.

Another problem is that as newspapers try to dig themselves out of a hole, they must try radical approaches, but nothing too radical - or they risk alienating their remaining subscribers. Going to an online-only model, for instance, would obviously cut down on overhead, but in the short-term, the resulting loss of all print revenue and paid circulation might be enough to destroy what's left of creditors' patience".

Quanto ao modelo de associação no Sapo para anúncios, a discussão está esclarecedora aqui mas deixa-me uma dúvida, consistente e de há anos: porque raio não se juntam estas empresas demedia na partilha de conteúdos mas só de anúncios?

[escrito à pressa, com lacunas e sem links, que tentarei colocar mais tarde. agradecem-se contribuições e críticas. imagem daqui]

Tenham medo, muito medo, dos conversores para a televisão digital terrestre

Camera and mic found in digital cable converter box paid for by the Feds

Cópia descarada (Noam Chomsky)

Es muy natural que los intelectuales intenten que las cosas sencillas parezcan difíciles. Es como cuando la iglesia medieval creaba misterios para preservar su importancia. Lea El gran inquisidor, de Dostovyeski, que lo cuenta de manera muy hermosa. El gran inquisidor explica que es necesario crear misterios, pues, de lo contrario, la gente corriente podría entender las cosas. Hay que mantenerla en un estado de sumisión, para lo cual se precisa que las cosas parezcan misteriosas y complicadas. Ésta es la prueba del intelectual. Además se trata de algo bueno para esta clase de personas: el intelectual es alguien importante que habla con palabras rimbombantes que nadie comprende. (...) Pero se hincha por demás, con muchas cámaras de televisión y mucha pose. Esa gente se esfuerza por descodificar y ver cuál es el sentido real detrás de ciertas cosas que se podrían explicar a un niño de ocho años. Todo se reduce a una vaciedad. Pero es la manera que tienen los intelectuales contemporáneos, incluidos los de izquierdas, de crearse grandes carreras, conseguir poder, excluir a la gente, intimidarla, etc. En Estados Unidos, por ejemplo, y desde luego, en una gran parte del Tercer Mundo, numerosos activistas radicales se sienten, sencillamente intimidados por el incomprensible galimatías generado por movimientos intelectuales de izquierdas".
d'O pensador contra os seguidores

Nada de novo, realmente (ou coisas que não é bom recordar)

A coisa já foi dita com piada em "A crise está em crise" (aqui ou sem problemas aqui): "Ao que parece, 2009 vai ser mesmo complicado. O problema é que 2008 já foi bastante difícil. E, no final de 2006, o empresário Pedro Ferraz da Costa avisava no Diário de Notícias que 2007 não iria ser fácil. O que, evidentemente, se verificou, e nem era assim tão difícil de prever tendo em conta que, em 2006, analistas já detectavam que o País estava em crise.

Em Setembro de 2005, Marques Mendes, então presidente do PSD, desafiou o primeiro-ministro para ir ao Parlamento debater a crise económica. Nada disto era surpreendente na medida em que, de acordo com o Relatório de Estabilidade Financeira do Banco de Portugal, entre 2004 e 2005, o nível de endividamento das famílias portuguesas aumentou de 78% para 84,2% do PIB. O grande problema de 2004 era um prolongamento da grave crise de 2003, ano em que a economia portuguesa regrediu 0,8% e a ministra das Finanças não teve outro remédio senão voltar a pedir contenção.

Pior que 2003, só talvez 2002, que nos deixou, como herança, o maior défice orçamental da Europa, provavelmente em consequência da crise de 2001, na sequência dos ataques terroristas aos Estados Unidos. No entanto, segundo o professor Abel M. Mateus, a economia portuguesa já se encontrava em crise antes do 11 de Setembro."

Eis algumas notícias desses anos que mostram como pouco mudou:

2 de Fevereiro de 2000: "Portugal é segundo país da União Europeia (EU) mais mal preparado para o século XXI, tendo apenas atrás de si a Grécia, concluiu um estudo divulgado na 30ª reunião anual do World Economic Forum".
"A pior classificação de Portugal (15º posto e último) foi no critério da sustentabilidade do desenvolvimento, indicador que tem em conta, entre outros factores, a taxa de crescimento dos últimos oito anos, o défice público e o lixo industrial produzido. A melhor classificação que o país conseguiu (5º lugar) foi na segurança, sub-índice que considera dados como o número de prisioneiros por 100 mil habitantes, os homicídios, ou o impacte do crime organizado nos negócios". (Público)

27 de Janeiro de 2001: "as previsões macroeconómicas do Banco de Portugal, e sobretudo as declarações de Vítor Constâncio sobre os aumentos da Função Pública, provocaram uma verdadeira onda de choque na sociedade portuguesa" porque "vêm confirmar que Portugal vai perder competitividade e crescer menos que a média europeia".
Para os Trabalhadores Sociais Democratas, era "inaceitável" o BP fazer "uma previsão de inflação que pode chegar aos 3,3 %, e depois aponte aumentos salariais claramente abaixo dos 3 %, o que significa perda do poder de compra dos salários". (Diário de Notícias)

3 de Março de 2001: "o número de falências em Portugal disparou em 2000, atingindo 710 empresas, o que se traduziu num aumento de 25% face a 1999, ano em que as falências aumentaram 9,9% relativamente ao ano transacto".
"Incólumes à vaga de falências por um período de tempo dilatado - entre 1996 e 2000 - estão os sectores da banca e empresas do Estado, logo seguidos das seguradoras". (Expresso)

21 de Março de 2001: "Portugal é o país da União Europeia (UE) com maior número de pobres. Segundo o Eurostat, cerca de 22 por cento dos portugueses têm "poucas posses", seguidos pelos gregos, com 21 por cento". (Público)

24 de Março de 2001: corrupção "a aumentar em Portugal, sobretudo em sectores como o do desporto, autarquias e sistema político. Mais de 79% dos portugueses [inquiridos] acreditam que o nível de corrupção tem vindo a crescer «drasticamente» nos últimos anos, enquanto 80,5% consideram que a corrupção é «generalizada» em Portugal". (inquérito realizado pela Transparência Internacional no Expresso, Diário Económico e Anglo Portuguese News)

6 de Abril de 2001: "Quem avisa, amigo é", dizia António Borges sobre a "fase de estremecimento dos mercados financeiros internacionais e das sérias dificuldades que se reconhecem na nova administração do presidente norte-americano, George W. Bush", com "uma combinação que poderia sugerir o prenúncio de uma nova crise da economia mundial".
Borges lembrava que a Nova Economia, "uma verdadeira revolução", "é uma economia de tomada e aceitação de risco, que exige uma compensação igualmente acima do normal".
E especificava: "Há excessos, mas não teria sido possível todo o progresso sem esta vaga de inovação" sendo "uma economia da instabilidade semelhante à do fim do século XIX, um tempo dado a bolhas nos mercados e falências espectaculares".
Quanto às críticas "pela cultura do enriquecimento fácil e da ganância", entendia ser "uma leitura redutora que não contempla “o gosto pela aventura, o entusiasmo e a ambição de fazer algo de novo”".
A "antítese" dessa Nova Economia "seria um Estado monopolista, sem confiança na sociedade civil; um Estado que tenta fazer tudo sem fazer nada bem e sem capacidade de atrair os melhores; um Estado com dificuldades no cumprimento da lei, que precisa de se financiar aumentando os impostos, criando uma evasão fiscal irresistível. Um Estado com uma burocracia que alastra e adquire autoridade própria. Com a ineficiência da Justiça, o crime compensa. É um Estado que distribui ‘benesses’, atribui subsídios e gera corrupção, facilitando o crime organizado. E, uma vez que o crime compensa, os cidadãos desmobilizam. Só os ingénuos cumprem. É ainda um Estado que contribui para o caos, porque cria instituições paralelas. Isso leva a uma sociedade sem iniciativa, em que as pessoas se encostam ao Estado com rendimentos mínimos e os empresários vendem as suas empresas para viverem dos rendimentos. As pessoas desinteressam-se pela cultura, pela arte e pela ciência. Não estou a falar de África: muitos reconhecemos estes sinais na nossa sociedade. Mas todos os valores da História de Portugal e da cultura cristã apontam noutra direcção. Gostaria que lhes prestassem mais atenção". (O Independente)

13 de Abril de 2001: "Portugal é o país da União Europeia com a maior percentagem (22%) de cidadãos a viverem abaixo do limiar da pobreza", sendo aquele que "apresenta a maior percentagem de pessoas que vivem em «persistente pobreza»".
Já então havia "uma elevada proporção da população que depende da assistência social" e "Portugal detém ainda a maior percentagem de jovens entre 18 e 24 anos que abandonam a escola com baixa qualificação (45%), contra 19% nos restantes países comunitários". (Expresso)

30 de Junho de 2001: o procurador-geral-adjunto Pedro Verdelho referia haver "casos estranhos" e que "nunca ninguém foi condenado por manipulação do mercado ou abuso de informação em Portugal mas desde 1991 houve cerca de 40 processos". (Expresso)

2 de Julho de 2001: "Cotadas valem menos 2,4 mil milhões de contos do que no final de 2000" e "a primeira metade deste ano foi dramática para o mercado de capitais português" porque "as empresas cotadas perderam em valor mais de 2,389 mil milhões de contos, ou seja, cerca de 10 por cento do Produto Interno Bruto (PIB) português. Um número assustador e que mostra bem o período negro que atravessou a praça lisboeta nos primeiros seis meses do ano".
Entre os "factores que contribuíram para o aprofundar da crise da bolsa de Lisboa" falava-se da "má conjuntura económica mundial, que foi sobretudo desencadeada pela desaceleração da economia norte-americana e que rapidamente contagiou a Europa", com "o esvaziar da "bolha" especulativa nos sectores tecnológico e de Internet, a onda de "profit warnings" de grandes empresas multinacionais, gerada pela necessidade de revisão em baixa de resultados, na sequência do arrefecimento das economias mundiais e o agravar da crise na América Latina".
E "as empresas cotadas, que muitas vezes pouca e má informação prestam ao mercado, também têm a sua quota de responsabilidade". (Público)

2 de Agosto de 2001: "Os quatro maiores bancos portugueses [BCP, CGD, BES e BPI] subiram em média, durante o último ano, 32 posições no ranking dos mil maiores bancos do mundo calculado pela publicação do FT Business, The Banker". (Diário Económico)

21 de Agosto de 2001: "Portugal É "Paraíso Fiscal" à Escala Europeia" por estar "entre os primeiros no "abatimento" fiscal sentido pelo sector bancário relativamente a essa taxa nominal de imposto [IRC "ou imposto sobre os lucros"], mesmo atrás da Suíça".
A "Banca Portuguesa Paga Cada Vez Menos Impostos" porque "em 2000, o sector lucrou quase 550 milhões de contos, mas pagou de imposto menos de 68 milhões de contos, o que dá uma taxa efectiva de 12,6 por cento, quando a taxa "oficial" ronda os 35 por cento", segundo o boletim informativo de Junho de 2001 da Associação Portuguesa de Bancos. Era "entendimento consensual na administração fiscal que a banca tem usufruído de condições especiais de tributação".
O ministro Sousa Franco falava que "o peso dos grupos de pressão e a falta de uma maioria parlamentar têm impedido que se encare este problema de frente: a maior parte dos benefícios fiscais é privilégio mais do que incentivo", sendo que "a banca continua a beneficiar de uma folga pública, através de uma reduzida carga fiscal, em nome de uma competitividade internacional exacerbada que tende a reduzir as margens de lucro do sector".
Medina Carreira, ex-ministro das Finanças e especialista em matérias fiscais, referia que os bancos e outras empresas "são assistidos por peritos fiscais muito bons" e, mesmo sem terem "cometido ilegalidades para pagarem menos impostos", conseguiam ter "um somatório de aproveitamentos [...] a partir dos pontos fracos da legislação". (Público)

[11 de Setembro de 2001]

8 de Novembro de 2001: António Borges, economista na Goldman Sachs International, num "diagnóstico negro da bolsa portuguesa" denunciava "corrupção descarada": "Há proliferação de insider trading e não há supervisão do mercado de capitais português".
Sobre o Orçamento de Estado, "«não é para cumprir, como não foi nos anos anteriores». O orçamento «deixou de ter qualquer significado» como instrumento enquadrador das principais opções de política económica, e as suas metas sofrem de irrealidade". (Diário Económico)

10 de Novembro de 2001: "Avaliações Portuguesas de Empresas Cotadas São Pouco Fiáveis" porque "os "research" e recomendações de investimento feitos por entidades nacionais são menos fiáveis do que os das entidades estrangeiras, conclui a Comissão de Mercado de Valores Mobiliários", com um "enviesamento das recomendações de investimento emitidas por entidades nacionais [...] maior do que o observado para entidades estrangeiras", segundo dados relativos ao período de Janeiro de 1999 a Maio de 2001.
"Nas recomendações feitas por entidades nacionais, 82 por cento são de compra e só 4,5 por cento são de venda, enquanto no caso das entidades estrangeiras as recomendações de compra são de 75,3 por cento e as de venda 8,6 por cento". (Público)

26 de Novembro de 2001: "baixa competitividade é mito" porque "ritmo de crescimento da produtividade portuguesa é hoje um dos mais velozes da União Europeia e tem mantido impressionante regularidade nos últimos 25 anos. O factor trabalho é ainda mais dinâmico, o que parece desmentir um dos mitos recentes da política nacional, segundo o qual tem havido constantes perdas de competitividade na economia", segundo números da Comissão Europeia sobre a competitividade europeia. "Portugal tem sido, no último quarto de século, um dos países da UE com melhor comportamento na competição global". (Diário de Notícias)

10 de Dezembro de 2001: "Portugal em Último no Campeonato dos Pobres da UE": "Olhe-se por onde se quiser olhar, quase todos os indicadores económicos relativos à economia portuguesa registam uma clara deterioração desde 1998, perdendo sobretudo na comparação com os seus congéneres gregos e espanhóis".
"Tudo indica que a economia portuguesa esgotou em 1997-98 as suas capacidades de convergência com a média da UE por se revelar incapaz de "aguentar a pedalada" em matéria de crescimento da oferta. Algo que é indiciado pela comparação entre o PIB efectivo e o PIB potencial, ou seja, entre o que na realidade produzimos e a nossa capacidade produtiva". (Público)

19 de Janeiro de 2002: Ricardo Salgado, presidente do Banco Espírito Santo, assegurava não ter "dúvidas de que há operações de branqueamento de capitais em Portugal". (Expresso)

Carnaval

23 fevereiro 2009

Cervejas

Jornais lucrativos e com procura. Como?

Information Wants to Be Expensive: Newspapers need to act like they're worth something.

For years, publishers and editors have asked the wrong question: Will people pay to access my newspaper content on the Web? The right question is: What kind of journalism can my staff produce that is different and valuable enough that people will pay for it online?

For Subscribers Only: Locking Up the News Sites: Will online users pay for access to content? The AP and others are mulling ways to make it work

It's Not Newspapers in Peril; It's Their Owners: "Not a lot of papers are operating at a loss," said John Morton, the veteran industry analyst. "There are roughly 1,400 daily newspapers. We only hear about the top markets. That leaves at least 1,300 papers out there."

Publicly owned newspapers averaged an operating profit of 10.8% in the first three quarters of last year, Mr. Morton said. That's not the margin enjoyed by newspapers when they were monopolies, but it's not nothing either.

[sobre os conteúdos pagos online, uma breve nota para os que acham que não será "elegante nem fácil" ou que é um modelo rejeitado há mais de uma década: o mesmo foi dito sobre a música online mas o iTunes está a vender músicas há vários anos...]

Twitter na secção Women de Life & Style...

A load of Twitter: What kind of person shares information with the world the minute they get it? And just who are the “followers” willing to tune into this rolling news service of the ego?

The clinical psychologist Oliver James has his reservations. “Twittering stems from a lack of identity. It’s a constant update of who you are, what you are, where you are. Nobody would Twitter if they had a strong sense of identity.”

“We are the most narcissistic age ever,” agrees Dr David Lewis, a cognitive neuropsychologist and director of research based at the University of Sussex. “Using Twitter suggests a level of insecurity whereby, unless people recognise you, you cease to exist. It may stave off insecurity in the short term, but it won’t cure it.”

For Alain de Botton, author of Status Anxiety and the forthcoming The Pleasures and Sorrows of Work, Twitter represents “a way of making sure you are permanently connected to somebody and somebody is permanently connected to you, proving that you are alive. It’s like when a parent goes into a child’s room to check the child is still breathing. It is a giant baby monitor.”

[act.: A SERVENTIA DO TWITTER]

Lista de blogues valiosos

The Twenty Five Most Valuable Blogs:
1. Gawker Properties
2. Huffington Post
3. The Drudge Report
4. Perez Hilton
5. Sugar, Inc
6. TechCrunch
7. MacRumors
8. SeekingAlpha
9. GigaOm
10. Politico
11. SmashingMagazine
12. SearchEngineLand
13. Boing Boing
14. ReadWriteWeb
15. SB Nation
16. Destructoid
17. Mashable
18. Alley Insider
19. /film
20. The Superficial Network
21. Neatorama
22. Daily Kos
23. Talking Points Memo
24. VentureBeat
25. Wowowow.com

Baleias

Save the whale (again): Secret plan to lift hunting ban: Governments are preparing to breach the worldwide whaling ban, legitimising commercial killing of the giant creatures for the first time in more than 20 years.

O declínio do DVD


And the loser is... Time Warner, News Corporation, Walt Disney and the other media conglomerates have been hit hard by the global economic downturn in recent months. Perhaps more disturbingly for their longer-term prospects, the studios have also begun to witness the slow death of one of their most profitable revenue streams – DVDs. Unfortunately for them, there seems little that they can do to reverse its decline.

The DVD is the unsung hero of Hollywood.

Coisas da globalização

Globalization and its cures: Can anything good come out of our messy ideas about how the world works now?

Ideas, knowledge, science, hospitality, travel – these are the things which should of their nature be international. But let goods be homespun whenever it is reasonably and conveniently possible and, above all, let finance be primarily national. Yet, at the same time, those who seek to disembarrass a country of its entanglements should be very slow and wary. It should not be a matter of tearing up roots but of slowly training a plant to grow in a different direction.

That practice of national horticulture now looks resurgent. Globalization brings connections, but no convergence towards consensus.

20 fevereiro 2009

Lista de vencedores dos Oscares?

The Oscar winners leaked? [o link original é agora um site com porno]
81st Annual Academy Award Winners Leaked Online!
The Winners' List On The Internet? There is a news website in Turkey and it says Oscar's Winners List is on the internet !!

[act.: vencedores aqui]

Informações


What is Information Architecture?

TimeSpace is an interactive map that allows you to navigate articles, photos, video and commentary from around the globe.

NYT: This was 1984: This series of images uses the faceted searching abilities of the NYTimes Article Search API to construct maps of the top organizations & people mentioned in articles for a given news year.
[via]

Revistas de tecnologia (e outras)



E outras:

Rotação


Turning the Place Over is artist Richard Wilson’s most radical intervention into architecture to date, turning a building in Liverpool’s city centre literally inside out.

A relação entre jornais e os corruptos sistemas político e económico

Goodbye to the Age of Newspapers (Hello to a New Era of Corruption): News coverage is not all that newspapers have given us. They have lent the public a powerful means of leverage over the state, and this leverage is now at risk. If we take seriously the notion of newspapers as a fourth estate or a fourth branch of government, the end of the age of newspapers implies a change in our political system itself. Newspapers have helped to control corrupt tendencies in both government and business. If we are to avoid a new era of corruption, we are going to have to summon that power in other ways. Our new technologies do not retire our old responsibilities.

Temos uma crise de liderança nas empresas?

Belmiro de Azevedo sublinhou que Portugal atravessa uma crise de liderança. "Temos uma crise de liderança no Governo, nos partidos, nas empresas, nas associações, nos sindicatos", precisou, adiantando serem necessários "melhores líderes" e "acabar com a demagogia dos discursos".

Sonae Indústria teve prejuízo de 108 milhões de euros em 2008, que qualificou o ano de «muito difícil», marcado por uma deterioração «significativa da performance» da empresa

O que são "sites de comunidades virtuais" para a Marktest?

19 fevereiro 2009

Tecnorealismo

The Unabomber Was Right: As best I understand, [Ted Kaczynski] the Unabomber’s argument goes like this:

* Personal freedoms are constrained by society, as they must be.
* The stronger that technology makes society, the less freedoms.
* Technology destroys nature, which strengthens technology further.
* This ratchet of technological self-amplification is stronger than politics.
* Any attempt to use technology or politics to tame the system only strengthens it.
* Therefore technological civilization must be destroyed, rather than reformed.
* Since it cannot be destroyed by tech or politics, humans must push industrial society towards its inevitable end of self-collapse.
* Then pounce on it when it is down and kill it before it rises again.

In short, Kaczynski claims that civilization is the disease and not the cure. He wasn’t the first to make this claim. [...]

The Unabomber is right that technology is a holistic, self-perpetuating machine. He is wrong to bomb it for many reasons, not the least is that the machine of civilization offers us more actual freedoms than the alternative. There is a cost to run this machine, a cost we are only beginning to reckon with, but so far the gains from this ever enlarging technium outweigh the alternative of no machine at all.

[ver também "Carta da Wired para o Unabomber"]

(+ 1) Top de blogues em Portugal

Moblig

Coisas que é bom saber

Low-Tech Fixes for High-Tech Problems:
Cellphone Losing Charge
Remote Car Key
Dry Ink Cartridge
Cellphone in the Toilet
Longer Wi-Fi Reach
Dirty Discs
Too Much Flash
Crashed Hard Drive

HOW TO GUIDE: 60+ Great How To Sites and Resources: Here’s a run-down of more than 60 great how-to sites and guides covering everything from building a mashup to being more productive, creating a website and more.

Pub decresce, leitores online aumentam em Janeiro

Top Newspaper Web Sites See a Rise in Uniques: Newspapers are having an abysmal start to 2009 with advertising revenue plunging in double digits. But on the readership side -- online, anyway -- it's a different story. For the month of January, 25 of the top 30 newspaper Web sites experienced a rise in unique visitors, according to the latest report from Nielsen Online.

Damien Hirst em Espanha (e também em Portugal)

'Suicide' sculpture of Damien Hirst causes controversy in Spain: In fact, the Hirst money-making magic seems to have rubbed off on him. His 4 the Love of Go(l)d has been snapped up by a buyer from Florida, reportedly for $41,000 (£28,800). All his other Hirst spoofs have also been bought at ARCO, going to collectors in Holland and Portugal.

The Death of Damien Hirst: While there is no suggestion that Hirst himself is suicidal, perhaps it's time for him to ponder the physical impossibility of death in the mind of someone living.

British Artists Fight Hirst with Hirst: A collective of British artists has come to the aid of Cartrain, a 16-year-old artist who was forced to forfeit £200 ($284) in profit to Damien Hirst after the art-world superstar threatened to sue the teenager over the use of an image of Hirst's diamond-encrusted skull, For the Love of God.

À procura de emprego, em tempos de crise

Notícia de última hora!!

O novo Windows Mobile 6.5 está desaparecido

[act.: O telemóvel que contém o novo software da Microsoft, o Windows Mobile 6.5, que ainda não chegou ao mercado, pode ter sido roubado]

Isto é uma escada rolante

18 fevereiro 2009

Lá como cá?

Los españoles aumentan su interés por la ciencia y la tecnología, según la IV Encuesta Nacional de Percepción Social de la Ciencia y la Tecnología 2008 de la Fundación Española para la Ciencia y la Tecnología (FECYT). El porcentaje de aquellos que aseguran no sentirse atraídos por la ciencia y la tecnología ha disminuido respecto a 2006, cuando se hizo la última encuestra, del 36,6% al 31,7%. El "no las entiendo" (33,6%) sigue siendo el principal motivo que justifica esa ausencia de interés. [...]

Respecto a los temas que más valoran los ciudadanos, la ciencia y la tecnología ocupan la decimotercera posición, "una posición digna", según Hernani, por debajo del terrorismo y seguidas de los sucesos, los viajes y el turismo, la prensa rosa, la astrología, la vivienda o la inmigración. Por primera vez, la medicina y la salud encabezan esta lista de preocupaciones (35,2%), seguidas de los deportes, el empleo, la alimentación y el consumo, la economía y las empresas, la educación, el medio ambiente y la ecología, el arte y la cultura, la política, los temas sociales, el cine y los espectáculos.

En cuanto a la fuente de información científica que citan mayoritariamente los encuestados gana la televisión (82,3%), pero cuando se analizan las respuestas por segmentos de edad se aprecia la "gran presencia" de Internet en los jóvenes de entre 15 y 24 años (61,6%) y de entre 25 y 34 años (50,4%). Un gran porcentaje de consultados considera que la prensa, la televisión y la radio dedican una atención "insuficiente" a la información científica.

Redes sociais, falhas e privacidade

Social network downtime in 2008: Key findings
* Only 5 social networks managed an overall uptime of 99.9% or better: Facebook (99.92%), MySpace (99.94%), Classmates.com (99.95%), Xanga (99.95%) and Imeem (99.95%). Again, it should be pointed out that Imeem was only monitored from May 9 and onward while the other sites were monitored the entire year.
* The single most massive social network incident in 2008 happened to Friendster. The service had a data center outage in November that caused more than 23 hours of downtime in a time span of less than 3 days. If it weren’t for that incident, Friendster would have placed much better in this survey.
* 84% of Twitter’s downtime happened during the first half of 2008. July and onward has seen a big improvement in site availability for Twitter.
* 77% of LiveJournal’s downtime happened in Q4 of 2008. It is too early to say if this is indicative of a trend or if it was a temporary lapse in uptime due to the service’s migration to a new hosting provider.
* LinkedIn’s downtime has been increasing over the year. Each quarter has seen a larger amount of downtime than the one before it.

Social networkers risk 'losing control' of privacy: Users of social-networking sites such as Facebook risk losing control of their personal information because they are not fully aware of the implications for their privacy, a freedom of information expert warned Wednesday.
Facebook was forced to revert to its old user-ownership policy following a backlash from users.
Data-protection specialist Mark Gleeson told CNN that social networking users should be very careful about what information they post on the Web.

Easier to mess up love life on social networks: Shayna Hefner never expected MySpace to turn her life upside down.

Transparência

The American Recovery and Reinvestment Act will be carried out with full transparency and accountability -- and Recovery.gov is the centerpiece of that effort.

Lapsos, malditos... hackers

Pergunta sobre professores que não entregaram objectivos foi “um lapso”: Os presidentes dos Conselhos Executivos das Escolas que haviam sido chamados a revelar qual a sua “posição relativamente aos docentes que não entregaram os objectivos individuais” foram hoje contactados por um responsável da Equipa de Apoio às Escolas de Coimbra, que lhes disse que a pergunta foi feita “por lapso” e os dispensou de responder.
Nota de Imprensa: Foi a forma encontrada por uma determinada Equipa de Apoio às Escolas de fazer um ponto de situação, conducente a qualquer esclarecimento ou apoio que se revelasse oportuno.

Conta Twitter do deputado Pedro Duarte invadida: A conta da rede social Twitter de Pedro Duarte, deputado do PSD, terá sido invadida na noite de segunda-feira durante o debate do programa “Prós e Contras” na RTP. Assinado por Pedro Duarte, um comentário sobre Isabel Moreira, uma jurista que integrava o painel de convidados, chocou os habituais leitores do deputado [...]
Pedro Duarte esclareceu todas as dúvidas com duas mensagens: “Alguém, ilegitimamente, twittou ontem em meu nome com conteúdos ofensivos, que lamento. Assim, encerro hoje a minha conta no Twitter até perceber o que se passou. Obrigado a quem me avisou e peço desculpa aos visados.”

Deputado do PSD suscita debate no Twitter: Ao eliminar a mediação entre opinion makers e público, o uso de redes como o Twitter pressupõe que quem comenta assuma em pleno essa responsabilidade. Antes, o bode expiatório para gaffes destas era a falta de capacidade da comunicação social, agora, parecem ser os hackers.

E um pouco mais de seriedade?

O Plano Tecnológico (PT) vangloriou-se hoje dos dados da Anacom porque a "Penetração da Banda Larga em Portugal atinge 37,8% no 4º trimestre de 2008".

O PT soma a banda larga em Portugal, fixa (15,4%) e móvel (22,4%), para obter o valor de 37,8%, que "reflectem as políticas de disseminação do uso de computadores e do acesso à banda larga desenvolvidas no âmbito do Plano Tecnológico e que, segundo um relatório recentemente divulgado pela IDC, fizeram de Portugal o País da Europa Ocidental onde se verificou maior crescimento da venda de computadores pessoais no ano de 2008".

Ora o que diz a Anacom? "Embora tanto no caso da banda larga fixa como da banda larga móvel se esteja a considerar o número de clientes existentes, no último verifica-se uma maior heterogeneidade de tipos de acesso, determinada pelos equipamentos terminais utilizados (telemóveis, PDA's, placas para portáteis, placas com ligação USB) à qual estarão associados padrões de utilização da Internet distintos. Este facto aconselha à recolha de informação adicional que permita perceber melhor essa heterogeneidade".

Ou seja, a relação entre portáteis estimulados pelo PT e o crescimento da banda larga móvel não é factual. Mais, a IDC fala de "taxa de crescimento" e não de "crescimento da venda de computadores pessoais".

É bom também saber o que significa banda larga para a Anacom: "Conceito associado a serviços ou ligações que permitem veicular, a grande velocidade, quantidades consideráveis de informação, em débitos superiores a 128 Kbps/s no sentido ascendente"...

Nada disto tira mérito ao crescimento nacional na banda larga móvel no espaço de um ano:
4T07: 13,7%
1T08: 16,1%
2T08: 18,0%
3T08: 19,8%
4T08: 22,4%

Uns vigiam, outros ficam com o número de série

Como é que as autoridades podem plantar videocâmaras?

Leia-se este sumário sobre o projecto de Videovigilância na Zona Industrial das Cantarias (ZIC), em Bragança:

"A Policia de Segurança Pública, com total apoio da Câmara Municipal de Bragança" queria um sistema de videovigilância para fins de segurança na ZIC, para "controlo das entradas e circulação de viaturas no interior do seu perímetro, particularmente importante dada a confluência do aspecto industrial e comercial, com acesso ao público em geral".

A Comissão Nacional de Protecção de Dados deu um parecer negativo por considerar que "o sistema que se pretende implementar não visa uma vigilância efectiva da área, já que o acesso pedonal à referida zona é livre não havendo qualquer gradeamento ou obstáculo que o impeça".

Assim, o Ministério da Administração Interna (MAI) não podia emitir um "despacho favorável a instalação, nos termos pretendidos, de equipamento de videovigilância tendente à protecção da ZIC contra a criminalidade".

Não podia mas pode porque "nos termos da lei, a videovigilância pode também constituir meio complementar à acção dos agentes policiais". E assim vai "ser instalado e utilizado estritamente circunscrito à finalidade de prevenção rodoviária e para aplicação das normas respeitantes à circulação de veículos, constantes do Código da Estrada e demais legislação aplicável".

E a CNPD? Vai ser notificada pela PSP "das câmaras fixas instaladas, com a identificação do modelo, características técnicas e número de série, os locais que o sistema irá permitir observar, bem como o nome da entidade responsável pelo equipamento e tratamento dos dados".

Notável como se passa do objectivo da segurança e do controlo de entradas para a prevenção rodoviária, se contorna a CNPD e se cultivam videocâmaras pelo país!!!
[imagem daqui]

ReTweet

The Science of ReTweets: When I set out to answer the question of what makes certain Tweets more viral than others I found four factors that I believe have strong impacts on how far content spreads on Twitter.
1. The Original Twitterer
2. The Semantic Content of Tweets
3. Timing
4. ReTweet Cascades

Presidente da República patrocina Pepsi?

Cavaco encerra "Roteiro para a Juventude" dizendo aos jovens "Yes, you can"

Advertising Agency: TBWA\CHIAT\DAY, USA

O toque do Google

"Google Devalues Everything It Touches": Charlie Rose today started a series on the future of journalism.

A conversation about the future of newspapers with Walter Isaacson of "Time," Robert Thomson of "Wall Street Journal" and Mort Zuckerman of "The New York Daily News"

It was a fascinating discussion about micropayments, subscription models, and how newspapers can adapt to the challenge of low online ad revenues. And Poynter.org produced an excellent transcript.

Google UK head says that Google isn't to blame for newspapers' problems: it is not Google but consumers who are causing the downturn in advertising in print.

Research: top ten newspaper sites, nytimes.com at the top: According to research from The Bivings Group, which included 100 daily U.S. newspapers, the ideal newspaper website is nytimes.com since it incorporates new Internet tools while managing to retain a classical look. The study focused on web features, key concepts and navigational aspects.
Bivings found that the top ten sites are:
1. The New York Times
2. The Washington Post
3. The Wall Street Journal
4. The Florida Times-Union
5. The Philadelphia Inquirer
6. USA Today
7. The St-Paul Pioneer Press
8. The Atlanta Journal-Constitution
9. The Arizona Republic
10. The Columbus Dispatch