31 outubro 2012

28 outubro 2012

Coisas de jornalistas

WikiLeaks Expenses 2012-2011: Journalist Contextualisation/Processing
For journalistic processing, especially the contextualisation of  received materials and additional explanation/highlighting of background and contexts, journalists have been engaged and their effort financially compensated. In 2011 a total number of six journalist have been hired in this area.

As palavras perigosas de Aguiar-Branco


O ministro da Defesa, Aguiar-Branco, disse hoje que "os comentadores 'de fato cinzento e gravata azul'" são um "adversário [que] é tão corrosivo, tão arriscado e tão perigoso para a Segurança nacional como qualquer outra ameaça externa”.

Sendo ministro da Defesa, ele sabe que o conceito de ameaça externa já não existe por si:
1) em quase todas as circunstâncias, as ameaças têm actualmente uma vertente interna e outra externa. Assim, em consequência delas dificilmente se poderem distinguir em ameaças internas e ameaças externas, entendemos que as ameaças à segurança interna são essencialmente uma questão das forças e serviços de segurança, mas não estritamente, tal como a concretização de uma ameaça externa não constitui estritamente uma questão militar;

2) A UE reconhece que o conceito de segurança interna não pode existir sem uma dimensão externa, uma vez que a segurança interna está, em grande medida, cada vez mais dependente da segurança externa. [E no] que resume o actual estado do debate político e conceptual na UE, a segurança interna e externa são contempladas como componentes indissociáveis.

Ou seja, o que o ministro está a dizer é que esses comentadores são uma ameaça interna?

Sessão da tarde: a física quântica no Harry Potter

Factos fascinantes do corpo


FASCINATING FACTS (selecção):
  • Nearly 80% of all sudden cardiac arrests happen at home.
  • Your heart beats over 100,000 times a day.
  • A sneeze can exceed the speed of 100 mph.  
  • People eat more popcorn when watching a sad movie as compared to a happy one.
  • On average, women blink twice as often as men.
  • On average, women speak more than three times as much as men.

27 outubro 2012

Vendas online em segunda mão...

Don't Let Copyright Trolls Steal Our Property Rights! Next week, the U.S. Supreme Court will decide whether you have the right to sell your stuff on eBay. Do you really own the smartphone or computer you’re using to read this? If you sold your books, would you be breaking the law? A federal court in New York says you would be, even if you legally paid for and bought them.

It's unbelievable, but trademark and copyright holders are trying to use a legal loophole to take away your right to sell things that you own. The mainstream media is starting to catch on, with the Wall Street Journal just running an article headlined, "YOUR RIGHT TO RESELL YOUR OWN STUFF IS IN PERIL".

A origem da mecânica quântica

The Origin of Quantum Mechanics Explained in Four Animated Minutes

Estrela gigante devora planeta

Could the same thing happen to Earth?

Revolução móvel

Jornal mais weblento no Reino Unido

Which newspaper has the slowest website? Though, based purely on the stats from the tests, the Telegraph is the slowest newspaper site of the nine I've looked at here, it isn't noticeably slower to use than any other site here. In fact, I would nominate the Independent as the slowest site, as it is visiibly slow, and you can't scroll down and read articles until the various ad elements have finished loading. The stats say that the fastest site is the Guardian, which scored 83 on Google's test, and loads (fully) in just over 11 seconds.

Freemium versus premium

Freemium app revenue growth leaves premium in the dust: Freemium app revenue is now dominating premium for developers on both iOS and Android, said App Annie. The analytics firm said that freemium apps generate 69 percent of the worldwide iOS app revenue and 75 percent of global Android app revenues.


The New York Times: Running faster and faster to stay in the same place: the New York Times is having to run faster and faster to try to fill the gap left by declining advertising revenue, but even a rapidly growing subscription base doesn’t seem to be accomplishing that.

The end is near...


When will the Milky Way and Andromeda galaxies collide? According to astronomers, our Milky Way galaxy and the Andromeda galaxy will collide in four billion years...

25 outubro 2012

Jornalistas de tecnologia, a máquina da Apple e a educação

Education, Technology "Journalism," and the Apple PR Machine: The technology press doesn’t see it as its role to ask these questions. If it did, it wouldn’t be invited to the Apple events, and wouldn’t get to touch the iPad Mini first, well before consumers have the opportunity to even place their orders. Its job, it appears, is to serve as PR for the richest company in the world and to help fuel the desire for Apple products.

Empty America: San Francisco

24 outubro 2012

Coisas que é bom saber sobre as agências de comunicação

Five things your agency isn't telling you

Lembram-se do buraco do ozono?


2012 Antarctic ozone hole second smallest in 20 years

Coisas que é bom saber

What Happens When You Flush a Toilet on an Airplane?: An airplane's facilities work on a different principle than the conventional siphon toilet found in your home, and for a good reason.

À atenção de quem viaja para os EUA

Kirtsaeng v. John Wiley & Sons case may upend international copyright law:If you’re flying to the United States from abroad, perhaps your newspapers should be confiscated along with your too-large tube of toothpaste. For your own protection, that is. After all, if you forget to discard that newspaper before going through customs on arrival, you may be guilty of copyright infringement.
As ridiculous as that may sound, that's an interpretation of U.S. copyright law that’s on the table in a case to be argued before the Supreme Court on Oct. 29.

Narquitectura

Inside the Fortified Palaces of Mexico's Drug Lords: the defining aspect of narquitectura is paranoia. Walls or gates are a must.

Look at this thing!

Hunter Pence Had Three Hits On One Swing: OK, so technically that's impossible, but look at this thing!

Barroco de fogo

21 outubro 2012

O desaparecimento de (alguns) ecrãs

Why a physical TV set will disappear from our living rooms: In fact, there won’t really be any screens at all.

Foto-explosão

Pew Study Highlights Explosion of Photo SharingThe study finds that 46% of internet users post original photos and videos online they have created themselves (the creators), and 41% curate photos and videos they find elsewhere on the internet and post on image-sharing sites (the curators).

Hackitat: political hacking

What compels some people to spend a lot of time and energy on setting up servers, creating programs and even committing crimes to help people in a dictatorship in another country to communicate freely?

Apanhados dos media

Jornalismo em tempos de crise, agora é que querem olhar para o negócio, via jornalista-programador.

Manifesto para um novo ecossistema da imprensa digital:
1. Supprimer les aides directes actuelles
2. Renforcer les aides indirectes
3. Inciter à la recherche et au développement
4. Favoriser les investissements
5. Impulser une stratégie numérique européenne
6. Défendre la neutralité des supports
7. Étendre le droit à l'information
8. Renouveler la profession
9. Refonder les droits sociaux
10. Établir la confiance

Le néo-journalisme ou la pratique du métier au XXIe siècle: Le journalisme du XXIe siècle se construit au sein d’un écosystème technologique qui lui donne davantage de moyens pour pratiquer son métier, alors que ces mêmes moyens sont aussi accessibles à quiconque bénéficie d’une connexion. Internet a bouleversé la donne, le constat n’est pas neuf mais il continue à poser question car la révolution n’est pas terminée.



Afinal, em quem confiamos? Os meios de comunicação (em geral), os líderes de opinião e os jornalistas são potenciais “profissões” que podem contribuir para um reforço do índice de confiança geral.


New Devices, Platforms Spur More News Consumption: A PEJ survey of more than 3,000 adults also finds that the reputation or brand of a news organization, a very traditional idea, is the most important factor in determining where consumers go for news, and that is even truer on mobile devices than on laptops or desktops. Indeed, despite the explosion in social media use through the likes of Facebook and Twitter, recommendations from friends are not a major factor yet in steering news consumption.

Ten (at least) Ways That Putting Social Media At The Heart of The Newsroom Improves Public Service Service Journalism: But despite all the new technology, every journalist using social media must stick to very old values: accuracy, fact checking, balanced and impartial reporting and simply picking up the phone to ask: “Is it true?”

Online Advertising Poised to Finally Surpass Print: It looks like this is the year that Internet advertising revenue finally surpasses ad revenue in print media.

 
Who's Really to Blame for the Death of Newsweek? Attention is fleeing paper publications even faster than advertising is abandoning them.

BBC boss explains how new newsroom will "allow us to do what we do better": the same procedures about accurate reporting that have for decades applied to all types broadcast journalism, still apply to social media.

Twitter, Facebook, and old new media: People do tend to read people and not institutions online but a shift away from that has already started happening. A shift back to institutions, actually. Pre-1990s, people read the Times or Newsweek or Time or whatever. In 2008, people read Andrew Sullivan's Daily Dish or Paul Krugman's column in the Times or Gwyneth Paltrow's GOOP. Today, people read feeds of their friends/followees activities, interests, thoughts, and links on sites like Twitter, Facebook, Pinterest, and Tumblr, i.e. the new media institutions. Now, you may follow Daily Dish or Krugman on Twitter but that's not quite the same as reading the sites

10 outubro 2012

Imagens da imprensa em Portugal, desde 2005

Esta é a imagem de alguma da imprensa de referência em Portugal, desde 2005, usando os dados da APCT, do Netscope e da Anacom (para acessos em banda larga fixa, porque a móvel foi distorcida com os Magalhães). Lá em baixo está o papel, os saltos ascendentes são os acessos online:
A leitura é simples: papel sempre a descer, com duas excepções:
Entretanto, a banda larga esteve sempre a subir, tal como os acessos a estes media online desde 2007 (os números são dos acessos/visitas e não das "page views", porque vários sites informativos dividem uma notícia em várias páginas ou fazem refrescamento das páginas enquanto os utilizadores lhes estão a aceder, com o mesmo objectivo batoteiro de aumentarem o número de acessos):
O resultado ao longo destes anos? Três exemplos (mas os outros são idênticos, com as devidas diferenças de números):
Diário de Notícias:
Público:
Expresso:
Há duas excepções, curiosamente do mesmo grupo (Cofina). O Correio da Manhã continuou a subir em vendas (mesmo após o fecho do 24 Horas no terceiro bimestre de 2010) mas também no online:
O mesmo aumento de vendas ocorreu com a Sábado mas, neste caso, o online parece não ser o foco (isto quando a edição em papel parece também estar numa fase inicial descendente):

Vistos os números, o que dizer?

1) O clipping foi legalizado em 2008 (embora já viesse de trás), com a publicação da lei dos direitos de autor e conexos. Não é possível estabelecer uma ligação entre o aumento nos acessos aos media online e o impacto do clipping nesses acessos ou venda de exemplares de jornais. No entanto, tendo acesso online a notícias "clipadas" - de um operador de telecomunicações sobre o sector, a notícias da justiça no site de um sindicato de juízes e noutro policial, à recolha de textos sobre o ensino superior em sites de um instituto em Lisboa ou de uma universidade no Norte, a textos de economia num site de responsabilidade social ou num reputado instituto na Bélgica, aos títulos e algum detalhe de todas as notícias do Expresso em papel (o que me leva a decidir se o compro ou não no sábado), a notícias do sector da saúde num site sindical, etc. - alguém me consegue explicar porque vou comprar um jornal impresso?

2) O online impôs-se mas os olhares ainda estão fixos no papel. Tudo bem, é uma opção. Mas, pelo menos, olhem para a distribuição.É impensável um negócio com um tão grande número de sobras. Se um fabricante automóvel produzisse 100 mil veículos todos os dias para deitar fora 30 mil, alguém acreditava num seu futuro viável?

3) Boa sorte. Continuem a investir em apps móveis e a esquecer os conteúdos. Paguem pelas adaptações para os tablets, sem ganharem das operadoras. É como na guerra: só ganham os vendedores de armamento... Despeçam os jornalistas e contratem para os departamentos comercial e de marketing, mas não esperem ter melhores jornais ou mais leitores ou anunciantes.

Ou estou enganado?

09 outubro 2012

O culto do segredo e os media em Portugal

Deterrence of fraud with EU funds through investigative journalism in EU-27: Threats and intimidation do occur within the EU-27, though, as IPI wrote: ‘Scandals erupted in Portugal, France and Slovakia when governments sought to obtain mobile telephone data to determine the identities of journalists’ sources, while in the United Kingdom the ongoing News of the World phone hacking scandal raised fears of a push for increased government regulation.’  

Portugal
Portugal has only known a free press since the Carnation Revolution of April 25, 1974, when the dictatorship was ousted. For several decades after that, investigative reporting boomed, according to a 2005 study. Parts of the media were nationalized and party-affiliated, but there were so many media outlets that different voices could be heard and audiences were eager and enormous.

As in many countries, the Portuguese media over the last years have felt the impact of the financial crisis, with advertising losses, downsizing of print circulation, and declining readership. Still, despite its small language area within the EU, Portugal has six main national newspapers, four dailies and four weeklies. One national newspaper was created in the midst of the economic crisis: i newspaper, with its magazine style front page and a thriving website was launched in May 2009.

Six large media groups control most of the news outlets in the country, all of them with, to at least some extent, foreign-held capital. Most widely read are the dailies Jornal de Notícias, Diário de Notícias and Correio da Manhã, and the weekly Expresso.

There are around 300 local and regional private radio stations; Radio Renascença, which is run by the Catholic Church, has the highest audience. Commercial networks SIC and TVI have been making gains in audience (though not automatically financially) in recent years, providing serious competition for the government-funded public broadcasting channels RTP1 and RTP2.

According to the new government (coalition PSD/CDS) one of the public TV channels will be sold to the private sector before the end of 2012. The state also partly owns press agency Lusa, which is transforming itself into a multimedia news agency, and seven radio stations.

Investigative reporting is lacking in most of the general media, according to contributors to this report. There is no journalists’ association providing training or networking, the only center specifically aiming at media training (CENJOR) teaches journalism classes, but not resulting in a larger investigative output yet. ‘In a country where institutions do not work there is no reason journalism would be the exception, obviously’, said one of the respondents to the study.

Occasional investigative work has a national scope, with the exception of individual journalists contributing to investigative cooperatives as the International Consortium of Investigative Journalists ICIJ.

According to Freedom House, ‘Portugal passed an access to information law in 2003, which is in effect in addition to the 1993 Law of Access to Administrative Documents’. But Wobbing.eu found no proof of active use of FOI laws. Contributors to this report seldom notice use of documents as a tool for building proof in (investigative) stories. ‘The Law and the institution (CADA) created to allow access to administrative documents exist, but the opacity remains a reality.

Most public institutions refuse to disclose even innocuous documents. The cult of secrecy is a reality still today,’ one reporter remarked. Also, the law allows anyone the right of denial of a report, which the press has to publish, even if the basis of the denial is sketchy.

Portugal slightly moved up on the Reporters Sans Frontières Press Freedom Index 2011-2012, from 40th to 33rd position, therewith breaking a downward trend and showing that an economic crisis doesn’t automatically mean infringement on press freedom, as is the case in Greece. But due to strong political affiliation of media owners and editors in chief, there is doubt about true independence amongst critical journalists.

(via Joana Palminha, no FB)

Comboio no espaço

A visão

Ministério das Finanças obriga Cinemateca a cortar nas legendas: "Filmes [...] em língua espanhola, como "Los Muertos", de Lisandro Alonso, vão ser transmitidos na língua original, sem espaço para legenda em português. Poderá haver, contudo, legendagem em outras línguas".
Mas que língua podem "Los Muertos" falar na Cinemateca?!?! Ou o disponível online Nosferatu, sem ninguém se queixar da versão em inglês?!? E sim, é melhor do que a dobragem.
Uma pequena história: há alguns anos, quando ainda existia o Festival de Cinema da Figueira da Foz, um filme polaco foi exibido e traduzido em simultâneo. A senhora no palco traduzia o que via. Ninguém se queixou, nem ninguém percebeu se a tradução foi ou não má, apenas atrasada relativamente ao que se via :) Quem quis ver o filme, ficou até ao fim.
Outra história: se Vasco Granja tivesse emitido na RTP os filmes de animação checos na versão original, quantos portugueses mais não estariam hoje na República Checa, em vez de ocuparem este território à beira-mar plantado?
O nosso grande secretário de estado da cultura, com a complacência do nosso grande ministro das finanças, vê mais longe: a cultura a quem a pode traduzir. Notável, o que estes homens fazem pela cultura. A visão, senhores, que visão!!!!

05 outubro 2012

Da desilusão

António Borges pode chamar o que quiser aos empresários - é a sua opinião pessoal.

António Borges pode também opinar que se Portugal fosse Singapura, com uma "ditadura iluminada", podíamos estar melhor.

António Borges até pode ser contratado pelo Estado através da também sua empresa ABDL.

António Borges pode mesmo criticar as ajudas do Estado às empresas, quando a ABDL recebeu uns míseros 1.734,06 euros de subsídios pagos pelo Instituto do Emprego e Formação Profissional em 2008, no âmbito das Políticas de Emprego e Formação Profissional.

O que realmente preocupa é António Borges ter avançado para os serviços médicos e veterinários e assistência veterinária em Alter do Chão, com a Vetcrato. Estava António Borges já desiludido com a raça humana - e os portugueses em particular? Ou, depois de tratar dos humanos, vai dedicar-se aos animais? Coitados...

Três em Outubro

Emigrem! Buscar um futuro melhor noutros destinos é uma característica histórica do nosso povo. Na década de sessenta do século passado, milhares de Portugueses decidiram emigrar, à procura da liberdade e de melhores condições de vida. Não será de admirar, por conseguinte, que, também entre as novas gerações, muitos ponderem sair do País.

Votem no Rei! Existe uma alternativa muito clara à actual situação a que chegou a este regime, alternativa que passa por devolver a Portugal a sua Instituição Real e que, se não resolve por si só todos os nossos problemas actuais, será certamente – como o provam os vários países europeus que a souberam preservar – um grande factor de união popular, de estabilidade política e de esperança coletiva. Numa palavra, de progresso.

Estados-professor e estados-aluno: Não podemos aceitar que um País com oito séculos de História e que aderiu à Comunidade Europeia vai para três décadas tenha apenas para oferecer a uma Europa em crise o seu estatuto de "bom aluno" obediente e cumpridor, a que mediocremente e com incompreensível orgulho alguns o querem condenar. Esse estatuto menoriza-nos e infantiliza-nos. Nós, como país, povo, história, cultura, economia e sociedade, temos mais para oferecer à Europa do que apenas obediência acrítica e passividade conformada.

Meteorologistas, tempestades e nomes

Winter Storm Naming Leaves Local Weathermen Out in the Cold: without consulting any other weather entities, The Weather Channel announced it would start naming winter storms, in addition to hurricanes.

Mil milhões de utilizadores? Dahhhh....

14 Things Besides Facebook With A Billion Users: Television - 1.4 billion households have TV, per the most recent count.

We Are Legion - The Story of the Hacktivists

Romney vs Obama

Romney Spoke Four Minutes Less, but Got in 541 More Words: Obama's word count was 7,350 words during the course of the debate, while Mitt Romney got out 7,891.

Romney Goes On Offense, Pays For It In First Wave Of Fact Checks: because Romney made more factual assertions, he's getting dinged more — at least in the early hours after the debate — by the fact checkers.

How Politicians Get Away With Dodging The Question: we have limited attention, and most of the time when we're watching debates, we spend that attention on social evaluation — Do we like this person? Do we trust this person? — and only generally monitor content.

Why we can’t stop watching the stupid presidential debates: We can crack the debates’ code, but we can’t rewrite it.

Meet the Secretive Corporation That Runs Our Presidential Debates: There you have it — the mostly invisible group organizing the debates is much more interesting than anything either candidate is likely to say during the lot of them.

The Twitter spin room: What happens when politics goes real-time: The debate between President Obama and Mitt Romney was the most tweeted-about event in U.S. political history — but is the kind of real-time commentary and instant analysis that Twitter provides a good thing or a bad thing for the political process or society as a whole?

03 outubro 2012

Lá como cá: pobres milionários

Almost 2,400 Millionaires Pocketed Unemployment Benefits: Almost 2,400 people who received unemployment insurance in 2009 lived in households with annual incomes of $1 million or more, according to the Congressional Research Service.
The report was released after about 1.1 million people exhausted their jobless benefits during the second quarter of 2012, when more than 4.6 million filed initial unemployment claims. Eliminating those payments to high earners is one idea being considered as U.S. lawmakers struggle to curb a projected $1.1 trillion deficit for the fiscal year that ended Sept. 30, with the nationwide jobless rate at 8.1 percent.
“Sending millionaires unemployment checks is a case study in out-of-control spending,” U.S. Senator Tom Coburn, an Oklahoma Republican, said...

Governos só ficam preocupados quando há fome?

Can Riots Be Predicted? Experts Watch Food Prices: can food prices actually help predict when social unrest is likely to break out?
Yes, say a group of researchers who use mathematical modeling to describe how food prices behave. Earlier this summer, their model had predicted that the U.S. drought would push corn and wheat prices high enough to spark social unrest in other parts of the world.
"Now, of course, we do see this happening," says Yaneer Bar-Yam of the New England Complex Systems Institute in Cambridge, Mass. And unless those food prices come down, the researchers warned last week, more waves of riots are coming.
Obviously, there are complex social reasons why people riot.

É uma questão de transparência, estúpido!

Agora que a poeira assentou, podemos falar calmamente?

José Vítor Malheiros escreveu um artigo (A dívida existe mesmo?) que obteve uma resposta do Blasfémias (O José Vítor existe mesmo?) sobre a dívida pública nacional.

O artigo e as questões do colunista do Público não foram tão maus que, como alguém disse nos comentários no Blasfémias, originaram respostas de alguém que parece saber do assunto - e que não eram facilmente encontradas em mais lado nenhum pelo cidadão comum. No entanto, a maioria das respostas atira novamente o assunto para o domínio dos deuses económicos, com uma leve "nuance" de que é assunto dificilmente acessível aos "ignorantes".

Um exemplo: "pagar a dívida pública urgentemente é impossível. Para a pagar em 10 anos, precisávamos de um superavit de 12,5% ao ano. Para a pagar em 20, precisávamos de 6 e qualquer coisa por cento. Estamos muito longe de a poder pagar “urgentemente”. O que está em causa é, tão só, fazer com que a dívida não engorde mais e para isso, precisamos de conseguir atingir uma meta extremamente difícil: défice zero". Porquê?

Tal e qual como os "ignorantes" dos empresários com a TSU, há outros que precisam deste tipo de discurso descodificado - principalmente quando são quem paga essa dívida e não lêem jornais económicos. Tal como se defende a divulgação científica para ajudar a permear a ciência na sociedade, que tal facilitar a divulgação económico-financeira?

O facto de, como diz José Vítor Malheiros nos comentários no seu blogue, haver "grupos como a Iniciativa de Auditoria Cidadã a Dívida Pública ou o Comité para a Anulação da Dívida Pública Portuguesa - onde se encontram muitos economistas - [que] tentam fazer esse levantamento com êxito muito limitado" também não ajuda. A falha pode ser desses economistas.

Por tudo isto, o mais importante do artigo não foi atiçar o debate entre economistas ou para-economistas. Foi lembrar uma promessa, de um aspirante a primeiro-ministro em Maio de 2011, que então dizia: "O que quero é que haja transparência. O que precisamos é de mais transparência na vida pública".

O que era pedido no artigo também era simples: "Para começar, quanto devemos exactamente e a quem? Alguém já viu a lista das dívidas? Quem a certificou? Quem a auditou? Quem são os credores? E devemos de quê? O que comprámos? O que pedimos emprestado? Em que condições? Quando? Quem pediu? Quem recebeu? Onde e quando? Para onde entrou o dinheiro? Para que serviu?"

Sim, eu sei: RTFM, vai ler o Orçamento de Estado dos últimos 25 anos. Sim, eu sei, vai ler os orçamentos municipais e os (atrasados) relatórios do Tribunal de Contas, os Relatórios e Contas das empresas das PPP e dos hospitais e...

Obrigado, não é isso que quero nem desejo a qualquer ser humano, uma sociedade do século XXI a ler documentos em formato do século XV.

Como já todos sabemos que a culpa do défice é do centralão, a proposta que deve surgir em nome da transparência do Estado é outra. Por exemplo:

1) divulgação da contabilidade analítica que foi entregue à troika para se atingir o valor de 78 mil milhões de dívida;

2) divulgação detalhada das dívidas e encargos municipais, até porque com as eleições autárquicas em 2013 elas podem servir de arma de arremesso político entre candidatos, com vantagens para quem tem acesso a essa informação;

3) uma folha de merceeiro honesto com o deve e haver, actualizada regularmente, sobre a dívida à troika, bem como os encargos paralelos.

Em nome da transparência, para podermos olhar e comparar rapidamente do que falamos quando falamos de dívida e de cumprimento e de desespero e de esperança. Ah, e algo mais simples do que o relógio da dívida pública dos EUA (mas se não puder ser, que venha assim):

01 outubro 2012

Política e desporto - uma questão de linguagem


The shared language of sport and politics: Sporting metaphors always overrun the language of politics in the English-speaking world at election time - and perhaps most of all in the US.

Noite estrelada


Van Gogh's Starry Night as you've never seen it before: Astronomy student creates mosaic using Hubble's best deep space pictures

Olhonomia


How to Keep Computer Screens From Destroying Your Eyes

Hiperactividade farmacêutica

Big Pharma's Newest Money-Making Scheme: Adult ADHD: There is good news and bad news about attention deficit/hyperactivity disorder (ADHD) -- that is, if you’re a drug company. The bad news is the kid market has peaked out with 4.5 million U.S. children now carrying the label. The good news is adult ADHD is an emerging market.

Outubro