11 janeiro 2015

Charlie, coisas que gostava de saber (em actualização)

Sobre os ataques em Paris:

1) no ataque ao Charlie Hebdo, como e porquê avançaram as autoridades com um terceiro suspeito, cujo nome foi revelado, para se saber depois que ele estava em aulas num liceu a muitos quilómetros de Paris?

2) no ataque ao supermercado, como e porquê avançaram as autoridades com o nome de um segundo suspeito, cujo nome e imagens foram reveladas, para se saber depois que ela estava provavelmente na Síria?

3) alguém sabe porque não há sangue nos primeiros disparos contra o polícia, morto durante a fuga, ou porque há uma pequena nuvem de pó desviada da trajectória da arma?

4) após o cerco aos terroristas, porque deixaram as autoridades que eles recebessem e fizessem telefonemas para os media?

5) na saída do supermercado, após o lançamento de uma granada para o interior, surge um homem que é morto pela polícia e parece ser o terrorista. Era necessário?

6) se o terrorista entrou no supermercado às 13h15, se os reféns foram colocados dentro de uma arca congeladora acabada de desligar, poderiam eles sobreviver algumas horas? E porque sai Lassana? E como podia o atacante ameaçar que tinha 15 reféns se eles estavam escondidos e fechados desde início na câmara frigorífica? Resposta: um refém conta o que viu.

7) como sucedeu com os nomes das vítimas (e imagens), porque não se sabe ainda o nome dos reféns do supermercado?

Actualizações:
The First Question to Ask After Any Terror Attack: Was It a False Flag?
Qui a commandité l’attentat contre Charlie Hebdo?
4 Big Unanswered Questions About the Charlie Hebdo Attacks in Paris
Paris Attackers Funded by Pentagon Dinner Guest
Paris attack designed to shore up France’s vassal status: Roberts


Respostas (a coisas como esta):
Charlie Hebdo: les (mauvaises) théories du complot

Sem comentários:

Enviar um comentário