29 março 2006

CONTAMINANTES

A história cronológica do 1 por cento (afinal, ainda só passaram quase 20 anos...)

1981 - % do PIB em I&D: 0,3
1986 - % do PIB em I&D: 0,38

XI Governo Constitucional (1987-91, Cavaco Silva)
Cavaco Silva afirma no encerramento das Jornadas Nacionais de Investigação Científica e Tecnológica, em 15 de Maio de 1987: ?Estabelecemos como metas da nossa acção, neste domínio, duplicar a comunidade científica até 1990 e permitir que as despesas em I&D atinjam então pelo menos um por cento do Produto Interno Bruto?.

XII Governo Constitucional (1991-95, Cavaco Silva)
1991 - % do PIB em I&D: 0,61
1992 a 1995 - % do PIB em I&D: 0,6
1993 (Novembro, lançamento do Taguspark) ? Cavaco Silva: "Portugal atingirá no virar do século 1,5 por cento do PIB".

XIII Governo Constitucional (1995-99, António Guterres)
1995 - % do PIB em I&D: 0,57
1997 - % do PIB em I&D: 0,68
1998 - % do PIB em I&D: 0,7 (Indicadores Principais de Ciência e Tecnologia da OCDE, 2003)

XIV Governo Constitucional (1999-2002, António Guterres)
1999 - % do PIB em I&D: 0,75 ou 0,77 (Inquérito ao Potencial Científico e Tecnológico Nacional), ?um número que também fica aquém dos 1,2 a 1,5 por cento até ao final do século XX prometidos nos objectivos do Programa? Praxis XXI (Público, 16 de Julho de 2002)
2000 - % do PIB em I&D: 0,6 (relatório europeu na apresentação do VI Programa-Quadro de I&D da União Europeia) ou 0,76 (Lurdes Rodrigues, presidente do OCT) ou 0,8 (OCDE)
2001 - % do PIB em I&D: 0,83

XV Governo Constitucional (2002-04, Durão Barroso)
2002 - % do PIB em I&D: 0,78 ou 0,87 (oposição e governo, respectivamente), 0,9 (OCDE)
?A afirmação que sobressaía no programa eleitoral do PSD, de que deve ser atingida antes de 2010 a meta de 1 por cento do PIB para a despesa total (pública e privada) com I&D, desapareceu do programa de Governo? (Público, 26 de Abril de 2002)
2003 - % do PIB em I&D: 0,79

XVI Governo Constitucional (2004-05, Santana Lopes)
XVII Governo Constitucional (2005, José Sócrates)
Ciência reforçada em 250 milhões de euros: «Só com esta decisão conseguiremos duplicar o investimento público em ciência, alcançando no final da legislatura um mínimo de um por cento do Produto Interno Bruto», justificou [Sócrates].

Até 2010 - % do PIB em I&D: 3 (objectivo europeu proposto na Estratégia de Lisboa)

1 comentário:

  1. Pois é... a conclusão que se tira é que, apesar de ter registado uma evolução positiva, este investimento em I&D continua a pecar por escasso. E numa altura em que a tendência será chegarmos mais perto do tal 1%, o objectivo europeu aponta para o triplo. Sintomas de um país que, por muito que diga que faz, continua atrasado.

    ResponderEliminar