29 junho 2007

Portugal


As explicações estão no BizViz.

Dá que pensar

The Cult of the Amateur: “What you may not realize is that what is free is actually costing us a fortune,” Mr. Keen writes. “The new winners — Google, YouTube, MySpace, Craigslist, and the hundreds of start-ups hungry for a piece of the Web 2.0 pie — are unlikely to fill the shoes of the industries they are helping to undermine, in terms of products produced, jobs created, revenue generated or benefits conferred. By stealing away our eyeballs, the blogs and wikis are decimating the publishing, music and news-gathering industries that created the original content those Web sites ‘aggregate.’ Our culture is essentially cannibalizing its young, destroying the very sources of the content they crave.”

Uma boa ideia: Jim Roberts, [NYT] editor of digital news, is answering reader questions June 25 through 29, 2007: Newspapers are clearly undergoing more financial stress now than they have ever faced as readers and advertisers move to the Web. But the picture isn’t as bleak as it sounds. The New York Times actually has many more readers now — possibly hundreds of thousands more — because of nytimes.com, and I’m sure other publications recognize this, too.
Because of the huge amount — and often unruly nature — of information that is now available to people on the Web and elsewhere, I think there is an ever-greater need for well-reported, well-edited thoughtful journalism. I sense that readers crave it in whatever form we can provide it to them: print, broadcast or online.

Project Red Stripe - And the idea is…: We are developing a web service that harnesses the collective intelligence of The Economist Group’s community, enabling them to contribute their skills and knowledge to international and local development organisations. These business minds will help find solutions to the world’s most important development problems.
It will be a global platform that helps to offset the brain drain, by making expertise flow back into the developing world. We’ve codenamed the service “Lughenjo”, an Tuvetan word meaning gift.

Curioso...

Web Entry About Wrestler Was Altered Before Bodies Were Found: Investigators are looking into who altered pro wrestler Chris Benoit's Wikipedia entry to mention his wife's death hours before authorities discovered the bodies of the couple and their 7-year-old son.

Calendário do roaming e da eurotarifa

Chamadas de telemóvel mais baratas no estrangeiro (roaming) - 10 dicas

28 junho 2007

Lua cheia


Summer Moon Illusion: On Saturday night, June 30th, step outside at sunset and look around. You'll see a giant moon rising in the east. It looks like Earth's moon with the usual craters and seas, but something's wrong. This full moon is strangely inflated. It's huge!
You've just experienced the Moon Illusion. [...]
This weekend's full moon hangs lower in the sky than any other full moon of 2007, so the Moon Illusion is going to be strong. What makes the moon so low? Consider the following: The sun and full moon lie on opposite sides of the sky. They are like a see-saw: when one is high, the other is low. Because the summer solstice was just last week (June 21st), the sun is near its highest point in northern skies. The full moon is correspondingly low.

27 junho 2007

Spy Box


A digital camera inside a parcel looks out through a small hole and captures images of its journey through the postal system. The Spy Box was sent from my studio to the gallery taking an image every 10 seconds recording a total of 6994 images these were then edited together to create an animated slideshow.
Tim Knowles

Agricultor?


Driver comes a cropper in police chase: made by a drug user who was attempting to escape from police in his father's car. The man had been using cocaine.

26 junho 2007

Cidades

City Slickers: Monocle believes that the measure of a city is more about everyday wonders - pavements, well-designed schools, punctual transport - rather than one-off grand projects. Here's our list of the top 25 urban elements that make a city.

Podia ter sido pior...


Nude Merkel Montage Raises... Eyebrows: It's not the first time the Polish weekly Wprost has gotten in trouble in Germany. This week, the cover depicts Chancellor Angela Merkel breast-feeding the Kaczynski twins. But it could have been worse, the editor-in-chief points out. At least they used a 21-year-old model.

25 junho 2007

Vídeos a ver

Michael Caruso Is Living The Good, And Calm, Post-"Men's Journal" Life...: More fun and less income is Caruso's just-launched THEDAILYTUBE.COM, which is his and about 20 friends' compilations of videos from YouTube and other sources.
[O Videosaver faz o mesmo com menos 20 amigos...]
A ver também o Slate V, "a new online video magazine".

Media personalizado


You, Too, Can Grace a National Magazine’s Cover: In its April issue, Wired magazine, in partnership with Xerox, invited subscribers to upload their photographs to Wired.com. The first 5,000 who did so are now receiving their July issue with themselves as the cover art.
Not coincidentally, the editorial theme of the issue is the growing personalization of all things in cyberspace, and the headline over the photo is “You are here.”

21 junho 2007

It Works!

clean your computer keyboard in the dishwasher

Proposta de emprego

Space pioneers wanted for 520-day Mars experiment: They will face simulated emergencies, daily work routines and experiments, as well as boredom and, no doubt, personal friction from confinement in just 550 cubic metres [...]
Men and women who think they have the right stuff can download the application form on (http://www.spaceflight.esa.int/CallforCandidates). [...]
They will get paid 120 euros (158 dollars) a day, said Marc Heppener of ESA's Science and Application Division.

Ferramentas

120+ Resources for Bloggers

Realmente, é uma boa questão

Se queres ser relações públicas, melhor que tires a carteira profissional de jornalista...: O que eu gostava de saber é como é que é possível a Universidade de Lisboa [...] colocar como requisito profissional para o cargo de Tecnico Superior Relacoes Publicas Publicidade Principal, ser o candidato Titular do cartão de jornalista emitido pela Comissão da Carteira Profissional de jornalista

20 junho 2007

A Internet é assim

Mapping the Internet: Routing traffic through peer-to-peer networks could stave off Internet congestion, according to a new study.


The shape of the online universe. This image shows the hierarchical structure of the Internet, based on the connections between individual nodes (such as service providers). Three distinct regions are apparent: an inner core of highly connected nodes, an outer periphery of isolated networks, and a mantle-like mass of peer-connected nodes. The bigger the node, the more connections it has. Those nodes that are closest to the center are connected to more well-connected nodes than are those on the periphery.


The core: At the center of the Internet are about 80 core nodes through which most traffic flows. Remove the core, and 70 percent of the other nodes are still able to function through peer-to-peer connections.


The periphery: At the very edge of the Internet are 5,000 or so isolated nodes that are the most dependent upon the core and become cut off if the core is removed or shut down. Yet those nodes within this periphery are able to stay connected because of their peer-to-peer connections.

Os piores empregos na ciência

The Worst Jobs in Science 2007
Number 1: Hazmat Diver
They swim in sewage. Enough said.

Number 2: Oceanographer
Nothing but bad news, day in and day out

Number 3: Elephant Vasectomist
When your patient is Earth’s largest land animal, sterilization is a big job

Number 4: Garbologist
Think Indiana Jones— in a Dumpster

Number 5: Coursework Carcass Preparer
They kill, pickle, and bottle the critters that schoolkids cut up

Number 6: Microsoft Security Grunt
Like wearing a big sign that reads “Hack Me”

Number 7: Gravity Research Subject
They’re strapped down so astronauts can blast off

Number 8: Olympic Drug Tester

When your job is drug testing the world’s top athletes, there’s no way to win

Number 9: Forensic Entomologist
Solving murders by studying maggots

Number 10: Whale-Feces Researcher
They scoop up whale dung, then dig through it for clues

19 junho 2007

Mais transparência para os jornalistas

Openness & Accountability: A Study of Transparency in Global Media Outlets: Journalists are not only reluctant to explain what they know and how they know it, their news organizations are also often loathe to admit mistakes, and loathe to publicly state their policies regarding their internal journalistic and ethical guidelines.

Os melhores:
1. The Guardian
2. New York Times
3. BBC News
3. CBS News
3. Christian Science Monitor
3. NPR
4. Financial Times
5. LA Times
5. Miami Herald

ERC strikes again

Um dia hei-de elogiar a Entidade Reguladora para a Comunicação Social mas ainda não há-de ser hoje. Não após ler a deliberação sobre esta queixa de José António Cerejo contra a Câmara Municipal da Moita.
Há que ler o documento no seu todo para o perceber
No ponto III.3, consideram-se existir 10 questões objectivas. No ponto III.22, a senhora respondeu a 7 "factuais". Isto apesar do queixoso desejar resposta a todas as 24 perguntas.
Diz a ERC, com razão, que "o direito dos jornalistas de solicitarem informações ou recolherem depoimentos não conhece, por seu turno, contrapartida exacta ou equivalência estrita numa suposta obrigação de informar ou de emitir declarações, por parte da(s) entidade(s) por aqueles inquirida(s)".
Ou seja, o presidente da Câmara pode ser inquirido e pode não querer responder. Mas...
Continua a ERC: "Em tese geral, a ressalva apontada estender-se-á a todas as matérias que de algum modo envolvam a manifestação de um posicionamento pessoal e, portanto, subjectivo, do inquirido. Em tais domínios, tem tanto o jornalista interesse e legitimidade de colocar as questões que bem entenda a tal respeito, como o interpelado o direito de escusar-se a fornecer-lhe resposta às mesmas".
Atente-se no pormenor da "manifestação de um posicionamento pessoal e, portanto, subjectivo, do inquirido". E note-se uma das questões colocadas e citadas na queixa: "Considera o senhor presidente que a tramitação deste processo e a factualidade antes descrita correspondem a uma actuação isenta e eticamente irreprovável dessa câmara?"
Não há aqui nada de subjectivo ou pessoal. A pergunta está relacionada com o cargo, não com a pessoa.
Se deriva numa resposta pessoal - que só pode ser - e subjectiva a uma questão objectiva e a ERC condena isto, o que está a dizer em síntese é que nenhum responsável político deve responder às perguntas dos jornalistas. Nada porque a isso não é obrigado mesmo tendo o cargo que ocupa sido obtido por aqueles a quem deve dar respostas.
Em síntese, são eleitos mas não para assumirem as suas responsabilidades em público. Com o apoio da ERC. Fiquei elucidado. Ou estarei enganado?

Sobre o copyright

GOOD COPY BAD COPY - a documentary about the current state of copyright and culture

18 junho 2007

A ver

Um pequeno vídeo, um grande tema.

Livros e jornalismo

READ ALL ABOUT IT -- BUT WHERE, EXACTLY? Three books consider the current state of journalism and its future in a landscape dominated by the Internet

American Carnival: Journalism Under Siege in an Age of New Media by Neil Henry (University of California Press; 326 pages; $24.95), We're All Journalists Now: The Transformation of the Press and Reshaping of the Law in the Internet Age by Scott Gant (Free Press; 240 pages; $26) and The Cult of the Amateur: How Today's Internet Is Killing Our Culture by Andrew Keen (228 pages; Doubleday; $22.95).

Together, these books raise vital questions -- and ignore others that are just as central. Coincidentally, each book squats on a different corner of the ideological triangle that has defined the debate over the future of news. Keen takes one side, angrily lambasting today's online "citizen journalists"; Gant takes the opposite corner, extolling these amateurs; and Henry takes the middle corner floating gracefully above the two others, and not just because he has staked out the middle ground.

16 junho 2007

Uff, tanto desejo!

De um site noticioso, hoje:
- António Costa quer (...)
- CDS-PP quer (...)
- Pessoal de voo quer (...)
- Ministro do Ambiente quer (...)
- Sá Fernandes quer (...)
- Paulo Portas quer (...)

E o que dão?

Nem mais, nem menos

Fifty Ways to Take Notes

14 junho 2007

Tags

Tag, you're it to advertisers: As more people put their own content online, tagging is becoming an increasingly popular Internet search tool.
Now marketers and even retailers are starting to recognize the value of tags, which allow consumers to not only organize content under a certain keyword but also share it with others.

Castelos de areia


mais aqui.

11 junho 2007

E pronto, acabou-se!

THAAAT'S What We Were All Waiting For? Angry 'Sopranos' Fans Crash HBO Website
[Reacções]

A todo o vapor em 2008

6 billion Others (via)

A ler

Just do it - Ou como os jornais mudam ou morrem
Receitas? Não há. Há experiências, tentativas, urgência. E uma certeza: a crise da imprensa escrita só se resolve mudando de paradigma e passando a vê-la como a marca da fiabilidade das notícias que circulam no papel, na net ou nos telemóveis da geração i-pod
(a acompanhar também os últimos textos no Jornalismo & Comunicação)

10 junho 2007

Eu acredito em coincidências

DN, 5 de Junho de 2007: "Depois, os dados foram lidos por um programa informático que registou várias características dos acessos encontrados, como o nome (se o havia), o débito da rede, a marca do vendedor do equipamento ou, claro, se estava ou não protegido".

Público, Digital, 9 de Junho de 2007: "Mesmo assim, conseguiu recolher vários dados sobre as redes: nome (se o havia), o débito da rede, a marca do vendedor do equipamento e, claro, se estava ou não encriptada".

09 junho 2007

08 junho 2007

Ena, ena...



Bill Gates consigue graduarse 32 años después: Si había una asignatura pendiente en la vida de Bill Gates, el multimillonario empresario estadounidense fundador de Microsoft, la ha dado por cerrada al recibir un título honorario por la Universidad de Harvard, la misma institución que abandonó en 1975.
Gates, que nació en Seattle en 1955, empezó en 1973 estudios de derecho en Harvard junto con Steve Ballmer —quien posteriormente se convertiría en su socio—, pero en 1975 dejó a un lado su educación para dedicarse por completo a Microsoft, la empresa que fundó junto con su amigo Paul Allen. [...]
Finalmente, la Universidad de Harvard le ha otorgado un diploma y doctorado 'honoris causa' en Derecho en reconocimiento de sus logros como empresario y por su labor humanitaria.

Microsoft founder Bill Gates returned to Harvard Thursday (June 7) to finally collect his degree — an honorary doctorate — and to urge the Class of 2007 to change the world for the millions who live in poverty and die of preventable diseases each year.

Um banho e uma música


Psycho killer, qu'est que c'est
Far better
Run away

O que vai acontecer aos Sopranos?


A série termina este domingo: "who lives, who dies, and all other kinds of plots and events"? Start Your Own Sopranos Finale Office Pool

Jornalistas, programadores e que mais?

Hacker-reporter debate consumes journalists: A debate has been sparked in the news business on whether journalists should try to stay relevant by learning to write programming code.
The success of Adrian Holovaty, a Django specialist and newsman who rose from implementing content management software at Kansas newspapers to become Washingtonpost.Newsweek Interactive editorial innovations editor, has focused attention on whether reporters should add coding to a list of skills that includes shorthand and interviewing.

07 junho 2007

Boa pergunta:

Google PageRank: What Do We Know About It?

Uma opinião a ter em conta

Journalists, You're in the Army Now: The days of the independent, neutral war correspondent, objectively reporting from a war's front lines, are quickly coming to an end. In the future, a war correspondent will either effectively be a soldier for one faction of a conflict, or he will literally not survive in the war zone.

05 junho 2007

Até tu, Van Gogh?









Créditos das imagens (e muito mais) a partir do Belogue.

CNN em beta

Beta CNN.com tour

Dos blogues


Six Apart turns blogs into full business Web sites: "Blogging is evolving," said Chris Alden, general manager of the professional business unit at Six Apart. "Maybe the era of pundit blogging is maturing: The adoption of blogging for personal business and productivity purposes is exploding."

A Blog Is a Little First Amendment Machine: With blogging, an awkward term, we designate a fairly beautiful thing: the extension to many more people of a free press franchise and the right to publish your thoughts to the world.

A terminologia e o nome. A paranóia e a propaganda.

1984 'is definitive book of the 20th century': Paranoia, propaganda and a state of perpetual war are the defining characteristics of the last century [...]
Nineteen Eighty-Four, George Orwell's dystopic vision of a totalitarian future in which the population is constantly monitored and manipulated, came top of the survey to find the book that best defines the 20th century. The public voted online at Guardian Unlimited Books, choosing from a list of 50 era-defining books [...]
Orwell published Nineteen Eighty-Four in 1948, at the midpoint of the century, but its ongoing relevance is demonstrated by the extent to which its concepts and terminology - Big Brother, Newspeak, Double Think - have seeped into our language. Even the name of its author has been appropriated as an adjective, Orwellian, which is regularly used today in debates over privacy and state intervention.

Ainda bem que é só na Alemanha...

German Media Companies Risk Putting Profits before Journalistic Quality: Out of fear of missing out on the future the Internet offers and the Web's rising advertising revenues, publishers are neglecting their traditional newspaper and magazine businesses. In the process, quality journalism might just get left by the wayside.
(Ah, e já agora: Young people perceive traditional media as more accurate, trustworthy and reliable than new media, but many get most of their news and information from another source entirely - family and friends.)

01 junho 2007

Telecome?


Seen On The Streets of Petrozavodsk, Russia

Ainda o alegado plágio dos Gatos Fedorentos

O leitor rouba um banco e assume que efectuou o assalto. Se capturado pela polícia, deve ser posto em liberdade e ficar com o lucro do mesmo ou ser penalizado?

A questão é exemplar sobre o que ocorreu com o episódio dos humoristas Gatos Fedorentos, acusados de plagiar uma música e coreografia do falecido cantor francês Claude François.

O exemplo do banco foi dado em entrevista pelo advogado Manuel Lopes Rocha, especialista em direito de autor, que após a visualização dos vídeos considera que os Gatos Fedorentos cometeram não uma mas duas infracções ao Código do Direito de Autor e Direitos Conexos.

Os humoristas defendem-se que estavam a usar a música “Three Blind Mice”, a partir da qual Claude François se terá inspirado para fazer a sua “Petite Mèche de Cheveux”. Mesmo que o cantor francês a tenha adaptado, os Gatos Fedorentos usaram a versão do cantor francês e não aquela que não teria quaisquer problemas em termos de direito de autor (a referida música por eles é do século XVI).

Eis os vídeos para comparação (mais abaixo está a tal “música tradicional”):



O advogado, contactado telefonicamente, explicou que o genérico dos Gatos Fedorento “é extraordinariamente parecido” com a de François e que também a coreografia “é muito parecida”. O problema, refere, é que se a adaptação fosse realizada “no meio do programa, estavam a parodiar e não havia problema; o problema é que é no genérico, também usado como promoção”. É publicidade e não paródia. Assim, “os herdeiros do François podem reclamar”.

Mesmo a paródia tem limites: nos anos 90, o Supremo Tribunal de Justiça condenou Herman José a “pagar uma indemnização de 4500 contos, acrescidos de 15% de juros anuais, às edições Albert René, propriedade de Albert Uderzo e dos herdeiros de René Goscinny, pela utilização não autorizada da personagem de banda desenhada “Astérix, o Gaulês”. A decisão “encerra definitivamente um contencioso iniciado em 1992” e “é a primeira vez que se decide legalmente pela protecção de uma personagem, e não da obra integral”.

Neste caso dos Gatos Fedorentos, “a música não tem individualidade”, refere Lopes Rocha - não é original, em síntese. E em termos de coreografia, eles estão vestidos de forma muito semelhante a Claude François ou dançam como os intervenientes.

Para situar a questão no aspecto legal, há que ter em atenção os seguintes artigos da Lei do Código do Direito de Autor e Direitos Conexos (aqui abreviados porque há mais relevantes para este caso):
- A faculdade de introduzir modificações na obra depende do acordo expresso do seu criador e só pode exercer-se nos termos convencionados.
- Considera-se obra compósita aquela em que se incorpora, no todo ou em parte, uma obra preexistente, com autorização, mas sem a colaboração, do autor desta.
- Ao autor de obra compósita pertencem exclusivamente os direitos relativos à mesma, sem prejuízo dos direitos do autor da obra preexistente.
- Salvo disposição em contrário, autor é o criador intelectual da obra.
- O direito de autor caduca, na falta de disposição especial, 70 anos após a morte do criador intelectual, mesmo que a obra só tenha sido publicada ou divulgada postumamente.
- Por morte do autor, enquanto a obra não cair no domínio público, o exercício destes direitos compete aos seus sucessores.
- Não são admitidas modificações da obra sem o consentimento do autor, mesmo naqueles casos em que, sem esse consentimento, a utilização da obra seja lícita.
- Comete o crime de usurpação quem, sem autorização do autor ou do artista, do produtor de fonograma e videograma ou do organismo de radiodifusão, utilizar uma obra ou prestação por qualquer das formas previstas neste Código.


Esclarecidos alguns preceitos legais (há mais mas isto não é um blogue de advogados...), vamos à história.

O assunto surgiu inicialmente na blogosfera e o Apdeites fez posteriormente um apanhado da cronologia (aliás, recomenda-se a leitura dos três textos sobre o assunto: Diz que é uma espécie de madeixa?, Cem comentários e Ladrão que rouba a ladrão? Não. Espertalhão que rouba a parvalhão).

Um dos primeiros registos – ou o primeiro - sobre o alegado plágio surgiu a 8 de Abril no Chuinga.d, sob o título “aqui há ‘gatos’...

Mais de um mês depois, a 10 de Maio, foi a vez do blogue Por estes dias: “E perguntava eu, há dias, pela criatividade” para explicar que “Isto vai além da falta de criatividade. Será, como dizia num e-mail que recebi, uma espécie de cópia. Aqui se prova que os arquivos de televisão podem ser um pau de dois bicos. Lá do fundo do baú, sai este tesouro bem deprimente”.

Cinco dias depois, o Beijoquinha falava dos “Munelhos de cavelos - a Banda Sonora!”, a que se seguiu o Cão e Pulgas e o 31 da Armada. A 22 de Maio, foi o Instante Fatal, que citei aqui.

A 23, o Diário de Notícias pega na história com o título “Genérico dos ‘gatos’ é uma cópia dos anos 50”.

A jornalista explicava que “os humoristas assumem, desde o início, que a ideia não é deles, mas fãs do programa criticam agora os Gato Fedorento, nomeadamente em blogues, onde é mostrado o vídeo original”.

“‘Na altura [em que foi criado o programa] referimos em algumas entrevistas que o genérico não era original. Nós não percebemos nada de música, pelo que andámos pela Internet à procura de uma ideia’, explica Zé Diogo Quintela, dos Gato Fedorento, em declarações ao DN. ‘É impossível não ser assumido, se fosse para copiar fazíamos a coisa minimamente diferente’, acrescenta.
‘Mais do que uma música, estávamos à procura de um tipo de dança’, salienta o humorista, que encontrou o vídeo do YouTube”.

Aparentemente, encontraram ambos com uma enorme vantagem: “A música, Petite Mèche de Cheveux no original, foi adaptada para o genérico do programa. ‘Pedimos ao maestro Ramon Galarza para adaptar a música e a Marco de Camillis para fazer uma coreografia, com base no vídeo’, afirma Zé Diogo Quintela.
Graças às ‘pequenas alterações’ efectuadas na música, os humoristas ‘não pagam direitos de autor’”.

Ora estas “pequenas alterações” permitem-lhes não pagar direitos de autor mas eles recebem direitos de autor pelo programa – genérico incluído.

Um dos blogues que tinha apresentado o vídeo de François explicava então que “O Nada existe. Está no DN” porque “o que começou como uma simples curiosidade, passou pela proverbial tonteria e falta de maneiras do ‘bas fond’ blogosférico (nomeadamente pelas caixas de comentários) e acabou na capa de um jornal diário. Sim, o genérico do Gato fedorento é uma adaptação de Ramón Galarza e isso esteve sempre registado na ficha técnica do programa”.

Com posição contrária, António Cerveira Pinto escreve nesse mesmo dia sobre “Morrer de plágio”: “Agora, é a vez dos Gato Fedorento serem apanhados com a boca na botija do copianço, abusando de uma divertida criação do conhecido cançonetista francês Claude François [...]. Aliás, em matéria de humor, como aliás em muito do jornalismo preguiçoso praticado entre nós, o plágio, mais do que uma ocorrência vulgar, é mesmo uma praga, típica dum país irrelevante, periférico e dado à aldrabice sempre que há urgência de dinheiro (a falta dele, ou a oportunidade de o ganhar depressa.) [...]
No caso dos Gatos Fedorentos, um conselho: não façam o mesmo que Sócrates. Reconheçam o erro, façam o respectivo acto de contricção e puxem-me por esses neurónios do riso mordaz e sem compromissos”.
Alegadamente, Ricardo Araújo Pereira “corrige” alguns factos naquele blogue.
Considera que não existe erro porque “no dia em que apresentámos o genérico do nosso programa à imprensa, há seis meses, explicámos de onde tinha surgido a ideia e até a razão pela qual decidíramos manter, no início, a frase ‘Un, deux, trois, quatre’. Não escondemos nada, porque não pretendemos ser músicos. Era óbvio que não tínhamos sido nós a compor a música e dissemo-lo. O motivo pelo qual não há referências a Claude François no genérico é muito simples: a canção que Claude François canta é, basicamente, a conhecidíssima música tradicional inglesa ‘Three Blind Mice’. Sendo uma música popular, o autor é, naturalmente, desconhecido. Como foi o maestro Ramón Galarza a fazer os arranjos, é ele que assina esta versão. Nós somos os autores do programa mas não percebemos nada de música. No entanto, quem percebe explicou-nos que era assim, e portanto foi assim que fizemos”.

Esta versão vai ser prosseguida nos dias seguintes: “nós” não sabíamos, a culpa foi do maestro, a música era oriunda de uma canção tradicional inglesa e assim estava isenta de direitos de autor. Pelo que o Diário de Notícias “faz manchete revelando ao país o que nós nunca escondemos, antes omitindo que a música em causa está isenta de direitos de autor”.
Porquê? Porque “o Claude François cantou uma música tradicional inglesa. Nós também. Onde está o plágio?”

O plágio está em que os Gatos Fedorentos copiaram a música de François e não a versão tradicional inglesa. Cerveira Pinto chama-lhe “cópia derivativa, ou adaptação de obra alheia, a qual deveria figurar no genérico do programa, o que não sucede, e deveria ter sido objecto de negociação e contrato com os produtores do video clip original, o que sinceramente ignoramos (e não pretendemos apurar.)” Considera igualmente que “há uma óbvia apropriação da respectiva coreografia (a dança de grupo, o party style, o twist, o picado da câmara...)”.

Eis alguns exemplos das adaptações da música tradicional inglesa em que os Gatos Fedorentos alegam ter-se inspirado:





Qualquer duro de ouvido percebe que não há réstea de inspiração. Mas os dias seguintes ao texto do DN são elucidativos.

Houve quem não ficasse elucidada com as “Explicações ligeiramente fedorentas” tanto mais que “o truque da adaptação musical para não pagar direitos de autor é, no mínimo, feio. Como autora, sinto-me no dever de denunciá-lo. Os Gatos também são autores, talvez um dia sintam ‘no pelo’ a mesma sensação de injustiça.
Enfim, achei as explicações ligeiramente fedorentas, if you know what I mean. E mantenho que os Gatos não precisavam disto. Estão no princípio de carreira e considero-os brilhantes em termos de humor. Não podem começar já a ser preguiçosos...”

Já Nuno Markl escreveu sobre o “não-acontecimento” e “disparate” que é um genérico que afinal “é extremamente parecido com o excerto de um programa televisivo francês dos anos 60 que circula pelo You Tube”.
“Cópia? Plágio?”, questiona. “O que os Gatos fizeram, e assumidamente, foi pegar numa pérola kitsch que, na televisão francesa foi feita à séria e transformá-la numa paródia” que os críticos não entenderam e foram “cilindrando por exemplo o delirante trabalho que eles fizeram ao nível da letra, encaixando naquela estética e naquela melodia o poema mais improvável da História”.
Da paródia à “cada vez mais disparatada” e “desesperada tentativa de derrubar a credibilidade dos Gato Fedorento”, Markl descobre a 24 de Maio que “a canção do Claude François... não é do Claude François”.
Surge então “a fábula dos Três Ratos Cegos”, sendo que a canção é afinal “uma das 128793192 versões de uma nursery rhyme do século XVII. A primeira versão de que há registo é de 1607 e foi feita por um senhor chamado Thomas Ravenscroft. Desde então sofreu todo o tipo de mutações e foi usada das mais variadas maneiras e com as mais variadas estéticas sonoras. Sendo obra do século XVII é do domínio público”.

Markl insiste numa coisa com piada para quem se preocupa com estas coisas: nunca revela as fontes. Será daqui, daqui, daqui ou daqui?

E assegura que “aqueles que não querem perceber a diferença entre paródia e plágio pelo menos terão de perceber o que significa domínio público: significa que, se eu quiser, posso pegar naquela melodia e meter-me amanhã num estúdio a gravar cinquenta versões daquilo. E posso pô-las à venda”.
É verdade, se for a música “Three Blind Mice”. Não se for a “Petite Mèche de Cheveux”.

“A canção é tão comum no mundo inteiro e já sofreu tantas transfigurações que hoje em dia é um bocado como a melodia dos Martelinhos ou o Parabéns a Você. Hoje em dia é inclusivamente complicado atribuir a genuína autoria do Three Blind Mice”.
Para um autor como Markl, torna-se penoso explicar-lhe pormenores como a diferença entre a música de Claude François e a do Parabéns a Você. É que não há diferenças: ambas ainda estão protegidas pelo direito de autor. Não há transfiguração.
O Nuno usa o Parabéns a Você e a Warner pode pedir-lhe o pagamento de direitos de autor até 2030!

De regresso ao caso, Markl explica em detalhe o que aconteceu: “O que os Gatos fizeram, como comediantes que são, é completamente legítimo. Descobriram o video do Claude François no You Tube, deliraram com aquela melodia e aquela estética e, de forma assumida, utilizaram aquilo subvertendo o que é um alegre número ye-ye sobre o amor e transformando-o num alegre número ye-ye sobre o conteúdo do programa. E o Ramon Galarza, na volta, nem precisava de ter feito a tal mudança de acordes - a canção é de utilização livre”.

Não, não é, caro Nuno. Afinal é tão só “a maneira universal que a comédia usa para parodiar canções sem correr riscos legais”.

Mas há mais vida em Markl quando assume que “a melodia do genérico é inspirada na melodia do Claude François por sua vez inspirada no Three Blind Mice que é uma lenga-lenga de 1607, de domínio público”.

Estamos então de acordo: o genérico é baseado no canconetista francês. E não é irrelevante que “François, nos discos em que gravou este tema, está a incorrer numa falha gravíssima: então não é que a música - que é, como se viu, o Three Blind Mice do desgraçado do compositor inglês de 1607 - vem assinada por K. Chambers? Está no All Music Guide, a resenha detalhada e fidedigna das autorias”.

François fez o que os Gatos não fizeram: indicou a origem da autoria em quem se baseou, no tal Chambers que a pode ter usado porque ela estava em domínio público.

Uma questão pertinente veio de Maria João Nogueira (que “para além de integrar a equipa de Blogs do SAPO [é] fanzoca do Markl”) que questionou porque não se referiu o “cartaz dos fedorentos como plágio profundo do cartaz do partido nacionalista”. A resposta era simples: porque se tratou de uma paródia (texto não desmentido: “Os quatro humoristas decidiram parodiar o cartaz do PNR”).
“Há dois critérios editoriais no DN? Para umas coisas o aproveitamento de material criativo de terceiro é bom, para outros casos é mau?
Burros”.
Pois. Aliás, “burros? Não! Pérolas, pequenas alterações, a culpa é do maestro, o que se quiser...

Em frente. Três dias após o DN ter publicitado o caso, Ricardo Araújo Pereira exagera ao Correio da Manhã que “vamos costurar roupa que usamos”, confirmando o que já havia dito: “Não escondemos nada, porque não pretendemos ser músicos. Era óbvio que não tínhamos sido nós a compor a música e dissemo-lo”.

Volta a pegar na “conhecidíssima música tradicional inglesa” que “não tem direitos de autor” e “como foi o maestro Ramón Galarza a fazer os arranjos, é ele que assina esta versão. Nós somos os autores do programa mas não percebemos nada de música. No entanto, quem percebe explicou-nos que era assim e, portanto, foi assim que fizemos”.

Mas para quem não percebe do assunto, ele faz uma mistura curiosa: “E os Painéis de São Vicente, que utilizámos no genérico da série ‘Lopes da Silva’, também não foram pintados por nós”. Nem era necessário, já passaram as décadas suficientes para não ser preciso pagar direitos de autor sobre o uso dos mesmos.

Ao Jornal de Notícias, apanhado numa conversa com alunos, Ricardo Araújo Pereira explica que não recorreram a qualquer aconselhamento jurídico “na medida em que a música de Claude François, basicamente, é, ela própria, a adaptação da conhecidíssima música tradicional inglesa ‘Three Blind Mice’” e que não cometeram nenhuma irregularidade. “A quem acha que devemos direitos de autoria sobre uma música tradicional inglesa que data, pelo menos, do século XVII?” Ora “como foi o maestro Ramón Galarza a fazer os arranjos, é ele que assina esta versão. Nós somos os autores do programa mas não percebemos nada de música. No entanto, quem percebe explicou-nos que era assim, e portanto foi assim que fizemos”.
Eles não recorreram a "aconselhamento jurídico" mas “quem percebe” disse-lhes que era assim? Isto é um sketche dos Gatos Fedorentos, ignorância ou fuga em frente?

A 29, o DN entrevista Ricardo Araújo Pereira.
O discurso, mais uma vez, é semelhante. Reconhecendo “com o dicionário” que “plágio é a apropriação do trabalho alheio sem indicação da origem”, insiste nos mesmos tópicos. Em resumo, “só houve um pormenor que o DN se esqueceu de revelar: que a música em causa está isenta de direitos de autor” porque “o autor original da música é um inglês não identificado que terá vivido no século XVI”.
E se não for? E se os herdeiros de Claude François reclamarem esses direitos?

Já não interessava. Os Gatos Fedorentos tinham ganho a batalha mediática (a entrevista ao DN era divertida) e as reacções nos blogues sucedem-se. Um de vários exemplos de elogios:
Parabéns ao DN por se ter adiantado ao Le Monde”: Ricardo Araújo Pereira respondeu às perguntas do ‘Diário de Notícias’ sobre a primeira página mais imbecil dos últimos anos. E olhem que não era pouca a concorrência”.

Exemplos críticos? [Agradeço o envio por email]

Apesar da vitória blogosférica, acho que os Gatos Fedorentos não têm razão.
Lopes Rocha chama a atenção para um caso similar e com alguns anos, Lionel Sawkins versus Hyperion Records.

Sawkins era um estudioso da obra de Michel-Richard de Lalande (1657-1726) e, num imbróglio com a editora Hyperion, esta acabou por dizer que não considerava que ele tivesse quaisquer direitos de autor sobre o trabalho sobre o qual ia editar um disco que só resultara com o trabalho do musicólogo.
Sawkins recorreu e ganhou: “After lengthy attempts to negotiate a settlement, in 2003 Dr Sawkins issued proceedings against Hyperion in the High Court. The trial took place in May 2004 and lasted 6 days. Judgment was handed down by Mr Justice Patten on 1 July 2004 and he decided in favour of Dr Sawkins. He decided that the work undertaken by Dr Sawkins in producing his editions was sufficient for him to be entitled to copyright protection (although he decided that in relation to one short work an insufficient amount featured on the CD for his copyright to have been infringed). Hyperion had also sought to argue that Dr Sawkins had granted it a licence to reproduce the works and that he had copied part of one of them from a previous edition. The judge also rejected these arguments.”

Ou seja: “Dr Sawkins made it clear that his intention was to faithfully produce the music of Lalande in a modern performing edition. Hyperion argued that an edition of Lalande's music that is a faithful reproduction of Lalande's music cannot itself be an original musical work”.

Sawkins estava a usar a música de Lalande, que já não tinha direitos – o que ele não regateou - mas a editora devia-lhe a ele direitos (“royalties”) pelo trabalho produzido. Mais sobre este caso aqui e aqui.
Assim, quem quisesse usar os trabalhos de Lalande poderia vir a fazê-lo de duas formas: pagando a Sawkins pelo seu trabalho ou escavando de raiz as obras de Lalande.

A Grande Loja do Queijo Limiano revela um caso semelhante envolvendo os ZZ Top e a Chrysler.

Para terminar, numa recente recensão ao livro “Little Book of Plagiarism”, Jeremy Lott escreve em “The Problem with Plagiarism” como “the Internet and other relatively new technologies will shape the future of plagiarism. He [o autor do livro] takes the counterintuitive position that plagiarism will become much harder to get away with”.
Num texto também recente e interessante, o Blog Herald explica como “detectar o plágio e o roubo de conteúdos”.

Sobre o áudio e o vídeo, escreve-se: “At this time, audio and video plagiarism are relatively rare when compared to image and text plagiarism. The tools for editing audio and video are more expensive and harder to use. Also, the tools for hosting such content has, historically, been out of the reach of most Webmasters.
However, with the advent of sites such as YouTube, the concern about audio and video plagiarism has grown. Unfortunately, though, it remains some of the hardest plagiarism to detect”.

The end?

Não, sobram umas questões:
1) o que tem o maestro Ramón Galarza a dizer sobre todo este assunto?
2) o que tem Marco de Camillis a dizer sobre a coreografia – também foi baseada em algo do século XVI?
3) o que tem a dizer o autor do blogue “Diz que é uma espécie de magazine?”, obrigado a encerrar “motivado pela violação de copyright”?
4) o que têm a dizer a editora discográfica e os detentores dos direitos de Claude François?
5) o que tem a Sociedade Portuguesa de Autores a dizer sobre estas questões?